| Santa Bernadette Soubirous |

 

[ Retornar ]

 

 

 

 LOURDES * Santa Bernadette Soubirous. Irmã Marie-Bernard, nome na Congregação de Irmãs da Caridade e da Instrução Crista. Morreu aos 35 anos de idade, no dia 16 de abril de 1879, precisamente no aniversário da última "aparição" (visão) de Nossa Senhora.

 Uma primeira exumação foi realizada a 22 de setembro de 1899, isto é, 20 anos após a morte. Durante os processos de beatificação e de canonização, por ordem do tribunal eclesiástico, seu corpo foi minuciosamente examinado em mais três exumações a 22 de setembro de 1909, 3 de abril de 1919 e 18 de abril de 1925, respectivamente 30, 40 e 46 anos após a morte da santa. Na segunda exumação desta série, 40 anos após a morte, já apareciam sinais do incipiente cartonamento.

 0 Dr. Comte, médico de tendência claramente racionalista, fica feliz de poder encontrar e destacar pontos negativos: o corpo está inscipientemente ou "quase mumificado. A pele permanece na maior parte do corpo, coberta de algum mofo, de camadas bastante notáveis de sais que parecem ser sais calcários (...). As unhas das mãos estão todas pouco mais ou menos conservadas, mas estão muito móveis (...). As partes moles do nariz estão em algumas partes destruídas”.

 “As pessoas que assistiram à primeira exumação diziam que (nesta segunda) o corpo estava mais escurecido, principalmente as partes descobertas, como o rosto as mãos e os pés. E principalmente que elas estavam recobertas de mofo e de sais calcários.” - Na realidade, o próprio Dr. Comte, a seu pesar, teve de reconhecer que o enegrecimento e possivelmente também o iniciar-se e a aceleração do cartonamento - “pode explicar-se pela lavagem feita pelas irmãs quando do primeiro exame de reconhecimento, lavagem que forçosamente deixou uma forte umidade”. 0 enegrecimento é decorrência da absorção pela pele da carbonização superposta.

 Após a terceira exumação, o Dr. Comte, é claro, consegue encontrar novamente aspectos negativos e não deixa de salientar novamente "uma bastante forte camada de cristais e de sais calcários”. - Na realidade tanto o mofo como os sais calcários dão “mérito” à incorrupção, porque provam a excessiva umidade do túmulo. Após a segunda exumação - e o racionalista não deixa de frisá-lo por cima de tudo o mais -, “um artista recobriu o rosto com uma máscara de cera com muito êxito, porque o rosto, bem mumificado (?), escuro, com os olhos e o nariz escavados, produziria sem dúvida sobre o público uma impressão desagradável.

 Pelo mesmo motivo, as mãos foram também recobertas de cera mas conservando a atitude que tinham no túmulo”.

 Hoje o corpo de santa Bernadette Soubirous está exposto num sarcófago de vidro, no coro da Capela do Convento de São Gildardo (Saint-Gildard), cm Nevers. 0 corpo está completo, salvo alguns pequenos ossinhos retirados pelos médicos já na primeira exumação, para relíquias! - Pode comprovar-se perfeitamente que o corpo esteve totalmente incorrupto e, posteriormente, artificialmente facilitada a conservação no cartonamento inicial. Porque todos esses pontos “negativos” destacados pela preconcebida atitude dos racionalistas e dos seus sequazes, na realidade constituem admiravelmente “a marca” permanente da milagrosa incorrupção anterior, fato que os racionalistas “esquecem”:

 “Até o sepultamento, isto é, durante três dias completos, os membros conservavam toda sua flexibilidade as mãos sua cor natural, e a extremidade dos dedos estava rosada, como se o sangue lá circulasse!

 Tanto os operários como os agentes de Polícia, que viram os últimos preparativos para a colocação no túmulo (pelas leis francesas precisava-- se licença especial para enterrar fora de cemitério oficial), ficaram maravilhados da flexibilidade dos membros. Foi neste momento que o Comissário de Polícia pediu uma medalha que houvesse tocado no corpo de nossa irmã.

 Enfim, não se observou nem secreção nem cheiro que denunciasse a menor decomposição". Na aludida e primeira exumação “privada”, em presença de autoridades eclesiásticas locais e de dois médicos, em 1899, 20 anos após a morte, todos os presentes assinaram "um protocolo onde se fazia constar sob juramento que o corpo de Bernadette estava completamente incorrupto, que inclusive puderam verificar pela boca entreaberta que todos os dentes estavam em perfeitas condições, e que também as partes mais propensas, como os olhos, as mãos e as unhas, estavam perfeitamente preservadas da decomposição que nos seus braços a forma das veias era claramente visível. Logicamente o cadáver estava sujo pela umidade do túmulo, foi por isso que as irmãs 0 lavaram minuciosamente e 0 revestiram de roupas secas”. Na primeira exumação oficial (contando a anterior exumação “privada :", esta seria a segunda) da série de três durante os processos de beatificação e canonização, o corpo de santa Bernadette Soubirous continuava perfeitamente incorrupto.

 Os médicos ficaram convencidos de que foi claríssimamente milagre que o cadáver “se conservasse preservado de toda mácula”. "Não havia o menor indício de corrupção nem algum mau cheiro despedia o corpo da amada irmã. Mesmo o hábito com que a enterraram estava intacto. Seu rosto estava um pouco escurecido” (podia ser simplesmente sujeira, como se comprovou depois, quando novamente a lavaram). Os olhos ligeiramente afundados (como eram pela doença, antes da morte). “Parecia estar dormindo.” “As roupas, úmidas, foram trocadas por outras novas.” “Parece que acaba de adormecer, e seu rosto é de uma admirável beleza.” “0 aspecto impressionante da pequena morta lembra o das jovens virgens dos primeiros séculos encontradas (nos desenhos) das catacumbas.” “As mãos ainda seguravam o crucifixo profundamente estragado e coberto de verdete, e o terço quase completamente corroído pela umidade e pela ferrugem. ” “Seu corpo tão puro, ele mesmo triunfou da corrupção do túmulo.”

 “0 corpo mostra não haver sofrido a putrefação nem a decomposição cadavérica habitual e normal, após uma tão longa permanência numa cova escavada na terra.” - E este último depoimento é... do próprio Dr. Comte! “Passaram o corpo a um ataúde de chumbo, revestido por dentro com seda branca e por fora com um invólucro de carvalho. Colocou-se lá um certificado dentro de um vidro referindo a abertura do ataúde e as condições do corpo. Depois o corpo foi depositado novamente na capela mortuária de nosso jardim. ”

 A incorrupção, após as rigorosas análises exigidas pela Pontifícia Congregação dos Ritos, foi aceita como um dos milagres para a beatificação de Bernadette Soubirous”.

 Sem deixar de ser milagre, a incorrupção pode ser total, ou parcial; durante muitos anos e inclusive séculos ou durante poucos anos e inclusive por só umas semanas. A incorrupção pode superar as dificuldades especiais da natureza e mesmo as agressões livres do homem, ou após algum tempo sucumbir a elas. 0 corpo incorrupto pode passar depois ao cartonamento ou sem passar por ele sucumbir por fim à corrupção normal. Igualmente “a marca”, o cartonamento, pode permanecer por séculos, ou em grande variedade de distâncias no tempo a força da natureza terminar por corromper o cartonamento anterior. E corrompê-lo totalmente ou respeitando plenamente um ou poucos órgãos.

Pág 388, 389 e 390 do Livro "Os Milagres e a Ciência" - Autor Oscar G. Quevedo- Edições Loyola.

______________

Copyright 2003 - Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL

http://www.divinoespiritosanto.cjb.net