| Enfermos e Possessos na Bíblia |

 

[ Retornar ]

 

 

 

 Jesus distingue entre enfermos e possessos? Como explicar as passagens Mt 10,8 "Curai os enfermos...., expulsai os demônios"; e Mc 16,17: "Em meu nome expulsarão os demônios...Imporão as mãos sobre os doentes e estes ficarão curados".

 De fato, 8 vezes os evangelhos usam de modo distinto os termos "doentes" e "endemoninhados". Mas, destes textos não se pode deduzir que a Bíblia pretendesse distinguir entre doentes e endemoninhados. Tal exegese não é válida. Quem fizer tal exegese, ao pé da letra, está adulterando a exegese, também ao pé da letra, bem mais documentada, do que os chamados endemoninhados que são simplesmente doentes.

 Com efeito, em 54 oportunidades a Bíblia fala de endemoninhados e em regra emprega as palavras curar e sarar.

 Curam-se os doentes e não os demônios

 Com igual ou com mais direito daqueles que tomam endemoninhados ao pé da letra, podemos nós tomar os termos curar e sarar também ao pé da letra.

 Nos textos que usam por separado os termos doentes e endemoninhados, trata-se evidentemente de estilo literário, pomposo, repetitivo, ponderativo, muito próprio não só dos orientais, mas, em geral, da linguagem precisa, matizada, ponderada, com todo o rigor científico.

 Assim, por exemplo, mesmo nesses textos, percebe-se claramente o estilo reiterativo: em Mt 10,8 se diz " Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. Daí de graça o que de graça recebestes. Não leveis nem ouro nem prata, nem dinheiro em vossos cintos, nem alforje para o caminho, nem duas túnicas, nem calçados, nem bordão". Igual estilo e numerativo, ponderativo, no outro texto citado, Mc 16,17. "Expulsarão os demônios em meu nome, falarão novas línguas, manusearão as serpentes, e se beberem algum veneno, não lhes fará mal; imporão as mãos aos enfermos e eles ficarão curados". Trata-se de acumular prodígios e não de estabelecer diferenças.

 A futilidade da exegese que diz que a Bíblia pretende diferenciar doentes de endemoninhados, aparece ainda mais claro em outros textos paralelos. Assim, no próprio Evangelho de São Mateus (Mt 10,1) se lê: "Deu-lhes Jesus poder sobre os espíritos imundos para os expulsarem, e para curarem todas as doenças e todas as enfermidades".

 Acaso as doenças não são enfermidades?

 Em outra passagem se diz que "Jesus curava doentes e limpava leprosos".

 Acaso os leprosos não são doentes?

 E no Evangelho de São Lucas "Jesus curava a muitas de suas enfermidades e doenças e achaques e atormentados por espíritos maus e restituía a visão de muitos cegos." (Lc 7,21)

 É claro que não se pretende diferenciar enfermidade ou doença ou achaque ou cegos, e portanto também não se pretende diferenciar endemoninhados.

 Tudo isto não quer dizer que os hebreus atribuíssem todas as doenças aos demônios. É possível que só atribuíssem a ele alguns tipos de doenças mais "misteriosas", certos tipos de doenças que hoje chamamos psíquicas e especialmente as doenças que iam acompanhadas de fenômenos parapsicológicos que para eles eram completamente incompreensíveis. Daí que na enumeração fosse lógico separar doenças e endemoninhados, como se separam os leprosos de outros doentes comuns, e até as doenças dos achaques e enfermidades.

 Mas certamente, não pretende a Bíblia dar, com essas distinções, doutrina religiosa. E não corresponde a Bíblia ensinar Medicina e Parapsicologia, ou expor as causas dos fenômenos observáveis do nosso mundo.

Oscar G. Quevedo S.J

 

 

______________

Copyright 2003 - Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL

http://www.divinoespiritosanto.cjb.net