| Parapsicologia, uma Ciência Libertadora |

 

[ Retornar ]

 

 Convivendo com pessoas; ouvindo-as, lendo jornais, revistas ou assistindo à televisão, constatamos que o homem contemporâneo, embora tantos avanços da ciência e da técnica, é marcado por medos. Medos, por exemplo, de demônios, de espíritos, de visões e comunicações do além, de fantasmas, de ameaças cósmicas, de homens com poderes extraterrestres...

 Chamam a atenção e a curiosidade dos homens, desde a mais remota antigüidade até nossos dias, fatos tais como adivinhações, visões, fotografar o pensamento, telepatia, clarividência, radiestesia, quiromancia, psicografia, astrologia, horóscopo, feitiços e despachos, possessões e espíritos encostados, ritual para fechar o corpo, incêndios misteriosos, incombustibilidade, jejuns prolongados, hipersensibilidade, memória prodigiosa, falar línguas desconhecidas, talento mais que genial, casas mal-assombradas e outros mais, fatos estes considerados, em geral, como inexplicáveis e até ignorados pela ciência durante muitos séculos. No entanto, cabe à própria ciência dar à humanidade uma explicação real, objetiva e profunda sobre tais prodígios misteriosos.

 Em se tratando destes fenômenos, encontramos diversas interpretações nas diferentes classes sociais, inclusive entre intelectuais:

1) Temos os que logo acreditam e se deixam levar pelo fascínio, em si, dos fenômenos "parapsicológicos", ou até pelas superstições ou ‘curas’, ‘falsos milagres’ e prodígios que alguns "paranormais" se atribuem fazer, sem esquecer de dizer que há muitas fraudes espertamente planejadas e enganadoras do público.

2) Em segundo lugar, os incrédulos, que afirmam de antemão que estes fatos não existem e se existem são sempre fraudes ocultistas. Esta atitude é cômoda e anti-científica, pois, na verdade, os fenômenos parapsicológicos estão aí e merecem ser pesquisados a sério.

3) Ainda, os charlatões, aqueles que até têm o atrevimento de se intitular de ‘parapsicólogos’, dão cursos, fazem ‘curas’, criticam os outros dizendo que são seus concorrentes e, assim, vão enganando pessoas com sua ciência fragmentária ou mesmo falsa.

4) Por fim, temos os pesquisadores, os que não caem numa crendice fácil, fasciniosa, supersticiosa ou fraudulenta, nem se deixam levar pela incredulidade. Pelo contrário, debruçam-se imparcialmente sobre os fenômenos buscando sua verdade numa postura objetiva, científica. Pesquisa e ensino em âmbito e metodologia universitárias.

 As investigações destes fenômenos sempre interessaram a alguns sábios e estudiosos, mas como interpretação científica só foi enfrentada a partir de 1882, pela Sociedade de Pesquisas Psíquicas de Londres, com a chamada ‘Metapsíquica’. Até que, em 1953, a Parapsicologia foi reconhecida ‘oficial’ e universalmente como Ciência por ocasião do Congresso Internacional de Parapsicologia, organizado pela "International Fundation of Parapsycology", pela Universidade de Utrecht e pelo Ministério de Educação e Cultura da Holanda.

 Como definição desta ciência podemos buscar em obra de pe. Oscar Quevedo, excelente parapsicólogo brasileiro, criador e diretor do Centro Latino-Americano de Parapsicologia (CLAP): "A parapsicologia é a Ciência que tem como objetivo a comprovação e a análise dos fenômenos à primeira vista inexplicáveis, que apresentam, porém, a possibilidade de serem resultado das faculdades humanas". Ou "o conjunto dos ramos da Ciência que estudam os fenômenos incomuns, relacionados com o homem". Ou "é o estudo científico para diferenciar o verdadeiro do falso milagre". Ou, por fim, "A Ciência que estuda os fundamentos, verdadeiros ou falsos, de todas as religiões".

 Com suas pesquisas, a Parapsicologia comprova que o homem possui forças e faculdades bem diferentes das que se manifestam normalmente. Por isso são chamadas faculdades ‘parapsicológicas’: Para = à margem (da psicologia normal).

 Forças como a telergia, uma força psicofísica (bio-eletricidade), determinada e definida pela vontade do inconsciente humano e que é capaz de produzir diversas ações (fenômenos extranormais), como movimentar objetos até 50 metros (telecinesia, comum nas casas mal-assombradas, ou poltergeist); golpes, pancadas (tiptologia); luzes, clarões (fotogênese); desenho, escrita (pneumografia); vozes de pessoas humanas, música (psicofonia); a imagem de uma pessoa ou de um animal (fantasmogênese e ecto-colo-plasmia), quando se diz "vi uma alma" ou "vi um bicho"); queimar objetos (pirogênese); um objeto atravessar obstáculos como parede, vidro (aporte); levantar o próprio corpo (levitação). Quanto às faculdades psíquicas de conhecimento (ainda extranormais, sensoriais) podemos citar a hiperestesia (leitura sensorial do pensamento); o cumberlandismo (adivinhação por contato); a xenoglossia (falar língua que não estudou); e a faculdade psi-gamma ou popular telepatia (fenômenos paranormais): conhecimento do passado (retrocognição), do presente (simulcognição) e do futuro (precognição). Há por fim, os verdadeiros milagres, exclusivos de Deus (fenômenos supra-normais ou sobrenaturais, em contexto religioso divino).

 Estas forças e faculdades psíquicas (menos os fenômenos supra-normais) têm sua origem no inconsciente humano, podendo uma pessoa passar a manifestá-las em determinada situação de sua vida. Evidente que é um uso parapsicológico no sentido de que a pessoa que manifesta não consegue usá-las quando quer, pois é manifestação espontânea, incontrolável e... perigosa (pois prejudica o psiquismo).

 Uma preocupação básica e fundamentada da Parapsicologia é ajudar a pessoa que manifesta faculdade parapsicológica (sofre de desequilíbrio psíquico ou físico-psíquico: psicorragia), a tomar consciência de que os fenômenos que ocorrem vêm dela mesma. E esta conscientização é essencialmente libertadora da pessoa, libertadora de desequilíbrios, medos, superstições, impressões como a de que estava possuída por demônios ou por um espírito de alguém ou do além.

 Basta citar casos de casas ‘mal-assombradas’, que fazem sofrer terrivelmente as pessoas afetadas e suas famílias. Normalmente são chamados espíritas, macumbeiros, benzedores, rezadores, padres para fazer bênção ou passes ou exorcismo no local e, em geral, estas pessoas não conseguem fazer parar os fenômenos. Entretanto, com a visita de um parapsicólogo, que explique cientificamente o problema e ajude a pessoa ou a família a enfrentá-los, resolve-se a situação definitivamente. Digo isto, como fruto de experiências, pois tenho acompanhado alguns casos com estas características. Podemos pois, concluir que a Parapsicologia é uma ciência verdadeiramente conscientizadora e libertadora do homem que, consciente e livre, poderá tornar-se senhor de si e de sua vida, ser mais feliz e encontrar em Deus sua plena realização.

 Diante de tudo isso, podemos constatar, ainda mais, a grandeza do ser humano, suas potencialidades, o poder do seu inconsciente que, melhor estudado, poderá trazer tanto bem para a humanidade.

 A importância da Parapsicologia hoje é tamanha que, segundo o pe. Oscar Quevedo, "A Sociedade Internacional para o Avanço da Ciência e a Unesco recomendaram que todas as Universidades do mundo dedicassem ao estudo desta nova Ciência, chegando a afirmar que a Parapsicologia seria a Ciência do próximo Século, por abrir novo campo de possibilidades para o homem, permitindo um maior conhecimento do ser humano e proporcionando uma Religião racional".

José Coelho Soares Neto

 

______________

Copyright 2003 - Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL

http://www.divinoespiritosanto.cjb.net