| Aparições de Nossa Senhora |

 

[ Retornar ]

 

 

Das Aparições

 

 Com o advento do novo milênio, muitas são as pessoas que dizem ter sido agraciadas com aparições de Santos, Anjos e especialmente da Virgem Maria.

 Os "videntes", portadores dessas mensagens, trazem aos demais fiéis católicos, mensagens de conversão, exortações à oração e algumas vezes, revelações particulares que não podem ser disseminadas ao público em geral...

 Diante de tais circunstâncias, o fiel católico pergunta: qual a posição da Igreja perante estas inúmeras aparições? Como devem se comportar os fiéis Católicos diante destas "revelações"?

 Primeiramente, o Cristão culto deve estar familiarizado com a verdadeira doutrina Católica e os avanços da ciência para poder fazer um correto juízo das ditas aparições, seguindo o ensinamento contido no próprio Evangelho : "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará".

 Num primeiro enfoque, notamos que somente algumas pessoas percebem o fenômeno, portanto conclui-se que não se trata de aparições, as quais seriam a manifestação sobrenatural de um ente, percebida por todas as pessoas presentes no local e hora em que a mesma ocorre, mas de visão, algo percebido e compreendido apenas pelo vidente que, posteriormente transmite a outros, a mensagem recebida.

 Trata-se, no entender da Igreja, de uma "revelação particular", ou seja, a mensagem é percebida apenas pelo vidente ou videntes, e, em nada se relaciona com a Revelação Divina, universal e obrigatória, como esclarece o Concílio Ecumênico Vaticano II, na Constituição Dei Verbum, n° 4:

 "Portanto a economia cristã, como nova e definitiva aliança, jamais passará, e não há de se esperar nenhuma outra Revelação pública antes da gloriosa manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo"(cf. Tm 6,14;Tt 2,13)

 Se os fiéis católicos tomarem por premissa que as declarações conciliares são de cunho dogmático, portanto de observação obrigatória, verificamos que não pode haver aparições verdadeiras, ou seja, intervenção sobrenatural direta de nenhum Santo neste mundo, por mais belas e edificantes que pareçam ser as mensagens proclamadas por tais videntes destas aparições, visto que toda a revelação está na Bíblia (e na tradição Apostólica).

 Diante disso, pergunta o fiel cristão uma vez mais: como se manifesta a Igreja?

 É evidente que, pelos aspectos já apresentados, a Igreja, em hipótese alguma, confirmará a ocorrência de uma aparição, até porque isso seria afrontar a própria revelação Bíblica, nos termos já apresentados pelo Concilio Vaticano II já citado.

 Poderá, contudo, a Igreja, em vista dos frutos espirituais colhidos pela propagação de uma possível aparição, abonar (aprovar) a devoção e o culto prestado ao ente que está sendo "visualizado" no local onde ocorrem as manifestações, em especial se a própria Divina Providencia já os tiver reconhecido, permitindo que ali ocorram Milagres verdadeiros, como curas sem causas conhecidas e fenômenos espetaculares.

 Esse é precisamente o posicionamento da Igreja em relação às aparições de Fátima, Lourdes, Aparecida, que chegaram mesmo a entrar no seu calendário litúrgico, sem que fossem confirmadas quaisquer das aparições propriamente ditas.

 Ressalve-se que, antes de endossar este culto, a Igreja observa os seguintes critérios:

 1. se a mensagem recebida está em harmonia com as verdades de fé, o credo e a moral católica;

 2. se os videntes gozam de boa saúde física ou mental;

 3. se há honestidade, humildade e amor cristão nos videntes e naqueles que propagam suas mensagens;

 4. quais são os benefícios que tais visões trazem ao meio católico, como conversões e curas. Pode ocorrer também que após vasta averiguação, a Igreja conclua que a manifestação de uma aparição e suas conseqüências sejam contrárias à doutrina e moral católica; neste caso a Igreja rejeita a manifestação da mesma e exorta seus fiéis a não propagar o acontecimento, como em Garabandel na Espanha, onde os bispos declararam espúrias as aparições de N. Senhora.

1.Verificar publicações sobre os "segredos de N.S. de Fátima.

2.Jo 8, 32

3.Confrontar com as aparições de Cristo após sua ressurreição, presenciada por várias pessoas.

4.Verificar volumes 1 e 2 do Livro dos Milagres de Oscar G. Quevedo S.J.

Fernando F. Queiroz - Núcleo de estudos e Pesquisas do CLAP

 

"Com efeito, a Virgem Maria é reconhecida e honrada como a verdadeira Mãe de Deus e do redentor. Ela é também verdadeiramente "Mãe dos membros (de Jesus Cristo) porque cooperou pela caridade para que na Igreja nascessem os fiéis que são os membros desta Cabeça, Mãe de Cristo e Mãe da Igreja."

Por isso, a Ela pertence um culto especial. "Todas as gerações me chamarão bem-aventurada" (Lc 1,48): "A piedade da Igreja para com a Ssma. Virgem Maria é intrínseca ao culto cristão". A Ssma. Virgem é legitimamente honrada com um culto especial pela Igreja. Com efeito, desde remotíssimos tempos a bem aventurada Virgem é venerada com o título de "Mãe de Deus" sob cuja proteção os fiéis se refugiam suplicantes em todos os seus perigos e necessidades. Este culto embora seja inteiramente singular, difere essencialmente do culto de adoração que se presta ao Verbo encarnado e igualmente ao Pai e ao Espírito Santo, mas o favorece poderosamente; esse culto encontra a sua expressão nas festas litúrgicas dedicadas à Mãe de Deus e na oração Mariana, tal como o Santo Rosário, "Resumo de todo o Evangelho".

(Catecismo da Igreja Católica, números 963, 971)

 A Parapsicologia explica as inúmeras "aparições" de Nossa Senhora dentro de um conceito científico-teológico. Excetuando-se as aparições de Cristo após sua ressurreição e antes de sua ascensão, as outras "aparições" são meras alucinações mentais de pessoas que possuem alto grau de sensibilidade. Na realidade, não são parições, são projeções de figuras que estão gravadas muito vivamente no consciente e no inconsciente da própria pessoa. Nestas alucinações não existe nada; são visões sem objeto real.

 A pessoa vê Nossa Senhora, mas Nossa Senhora não está realmente aparecendo: é o inconsciente da pessoa que dramatiza como se fosse aparição.

 Este tipo de alucinações visuais pode ser reproduzido e analisando em condições experimentais favoráveis. São fenômenos naturais; não são milagres divinos.

 O povo facilmente qualifica fenômenos que não compreende de súbito tão claramente de milagres.Quando um acontecimento é considerado milagre divino?

 O milagre é um fenômeno sobrenatural, supranormal que supera as forças da natureza. O Milagre não tem limites porque é Deus agindo em nosso mundo. Ele, pelo milagre, deixa sua assinatura para confirmar a sua doutrina. Milagres autênticos acontecem raramente e só em ambiente divino-religioso-cristão-católico; como tem confirmado as pesquisas parapsicológicas.

 As pessoas tão facilmente dizem ter visões que os psicólogos chamam de alucinações. O que provoca as alucinações visuais?

 As causas das alucinações visuais são muito diversas. Há causas fisiológicas, como a fadiga, lesão cerebral, golpes na cabeça, drogas, pressões corticais. Há causas psicológicas como a grande sensibilidade, estados de hipnose, de transe, de transe, de êxtases "místicos"...

 Um ambiente religioso muito emocional pode desencadear em pessoas muito sugestionáveis, visões como as de Nossa Senhora, dos santos, do anjo da guarda, do Sagrado Coração, das almas do purgatório e até de demônios. Certas neuroses e psicoses vem acompanhadas de freqüentes alucinações que podem indicar desequilíbrios psicológicos e perturbações mentais.

 Como se explica o que aconteceu em Fátima? Teriam tido uma alucinação aquelas três crianças?

 Em Fátima houve uma alucinação coletiva. As três crianças, por contágio psíquico, tiveram as visões de Nossa Senhora, sem o objeto real presente, ou seja, Nossa Senhora não apareceu fisicamente. Foram projeções endógenas, do interior das crianças para o exterior. Elas acreditavam ver a Santíssima Virgem. Como visões, como alucinação, foi um fenômeno natural.

 A história nos diz que milhares de pessoas viram o sol girando, entre as quais até descrentes. Como se explica?

 Evidentemente que o sol não girou. Foi uma alucinação coletiva de milhares de pessoas; e aí que está o milagre. Em Psicologia se sabe que não existe alucinação coletiva destas proporções; três ou quatro pessoas, no mesmo ambiente e nas mesmas condições, podem alucinar-se coletivamente, porém isto não acontece com milhares de pessoas. A alucinação coletiva em Fátima foi provocada por Deus, foi um milagre divino; ela rompeu os limites naturais; foi uma alucinação coletiva providencial, de origem sobrenatural dando autenticidade às visões naturais.

 Na Bíblia, são narradas várias aparições de Jesus cristo após a sua Ressurreição aos apóstolos. Há alguma diferença entre as "aparições" de Nossa Senhora e as aparições de Jesus Ressuscitado?

 Em Fátima, em Lourdes, em Guadalupe, Nossa Senhora não apareceu; se ela tivesse aparecido todas as pessoas poderiam vê-la e não apenas os "videntes". O Cristo ressuscitado apareceu mesmo; o mesmo corpo que fora crucificado ressuscitou gloriosamente: Milagre! Milagre acompanhado de outra série de milagres confirmativos. O Cristo ressuscitado comia realmente. Todas as pessoas podiam vê-lo, com Ele estar e verificar sua atuação de fato no nosso mundo material.

 Quando um local é marcado por uma aparição de Nossa Senhora, logo vai se tornando um centro de romarias de pessoas que mais buscam saúde através de curas milagrosas. Poderia nos dizer se realmente acontecem milagres de curas. Não seria nesses milagres uma confirmação da presença de Maria nesse lugar de forma mais especial?

 Sim. As curas milagrosas são cientificamente comprovadas como milagres divinos. São milagres, como já dissemos, que comprovam a autenticidade das visões. Em Lourdes, todo processo de cura é rigoroso. Sempre há exames médicos feitos por especialistas de todos os países e de todos os credos, até ateus. Os exames são feitos antes e após o milagre. Conforme o caso, psicólogos, psiquiatras e parapsicólogos, também dão seu parecer. Lourdes é um exemplo de seriedade científica e religiosa; até 1959, a Igreja reconheceu oficialmente somente 58 milagres em Lourdes.

 Quando se estuda a história de uma aparição de Nossa Senhora, se constata que a Igreja se vê entre a parede e a espada. Poderia nos esclarecer qual a postura da Igreja Católica em relação às chamadas "aparições" de N. senhora?

 A norma da Igreja católica é de que não se deve procurar uma explicação milagrosa, sobrenatural, quando há explicação natural, científica. A Igreja aprova o culto a Nossa Senhora, mas desaprova aos fanáticos movimentos religiosos; não estimula a romaria a estes locais em atitude doentia de busca de milagres, sem o comprometimento com a vontade de Deus. A Igreja não exclui, no entanto, a possibilidade de que Deus possa se servir de dons naturais para uma ação providencial.

 Parapsicologia é uma ciência que vem explicando tantas coisas que pareciam misteriosas ou sobrenaturais. Tem esta ciência interesse em explicar esses fenômenos? A sua explicação daria tranqüilidade e impediria tantos fanatismos?

 Fenômenos como o das "aparições" de Nossa Senhora se constituem o objeto de estudo e análise da Parapsicologia. Como Ciência, ela se interessa pela veracidade histórica dos fatos para verificar se são naturais, e, com preocupação evangélico-pastoral possibilita à teologia, extrair as conseqüências religiosas e doutrinárias que os fatos expressam.

 Todo o ser humano pode ser vítima desses fenômenos. Uma alucinação passageira e esporádica todo o indivíduo terá experimentado alguma vez. Agora, aqueles que se sentem perseguidos por tais aparições, que são vítimas dessas alucinações, que deveriam fazer para sua tranqüilidade e sua retidão de conduta?

 Estas pessoas precisam de tratamento, A cura não é tão difícil desde que elas colaborem com o psicoterapêutica. O CLAP presta este atendimento esclarecendo as pessoas sobre a origem dos fenômenos, suas causas, os fatores desencadeadores, as circunstâncias próprias aos mesmos. As pessoas são também orientadas no sentido de não fomentarem estas manifestações do inconsciente para que possam viver e conviver socialmente de forma equilibrada e sadia e possam vivenciar uma verdadeira devoção e religiosidade sem misticismo e superstições.

O MILAGRE NÃO TEM LIMITES PORQUE É DEUS AGINDO

Oscar G. Quevedo S.J. (Padre Quevedo)

______________

Copyright 2003 - Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL

http://www.divinoespiritosanto.cjb.net