| GRUPO DOS COROINHAS |

Voltar ao início

É um movimento de serviço no altar, durante a celebração da Santa Missa, composto exclusivamente por crianças que já fizeram a primeira Eucaristia e que tenham entre 8 a 14 anos.

As crianças ficam responsáveis durante a santa missa de todo o serviço no altar auxiliando o sacerdote.

O grupo tem uma longa história, talvez, desde a data de fundação da paróquia já existia, passaram por eles muitas crianças que hoje são jovens engajados na Igreja, entre seus coordenadores estiveram a Ir. Nazaré, dona Romilda, o grupo ganhou muita força com o Beto e seus trabalhos esportivos, e hoje o grupo está sobre a orientação de Márcio.

Todas as crianças que residem próximas a paróquia sintam-se convidadas a participarem deste grupo de serviço no altar, nós nos reunimos todos os Domingos as 9:00 hs da manhã na sala número 04 da mesma paróquia.

 

VENHA PARTICIPAR!!!!

 

Obs: as informações quanto ao histórico não são muito detalhadas, pois há dificuldades quanto a pesquisa, espero que essas possam auxiliarem bem... um abraço: Márcio

 

 

Os Coroinhas e São Tarcísio

 

 

O termo "coroinha": vem de lá da Igreja pré-conciliar, quando as celebrações litúrgicas eram todas em Latim. Na verdade os coroinhas eram coralistas, isto é, ficavam nos coros das igrejas ajudando ao celebrante nas respostas, todas em latim, já que o povo em geral não sabia.

 

Tem-se como patrono dos coroinhas São Tarcísio.

 

Tarcísio era um menino de 12 anos que pertencia à Igreja Primitiva, de alguns anos após à ressurreição de Jesus. Morava em Roma, onde todos os Cristãos eram perseguidos e mortos pelo Imperador. Na época, o povo romano era pagão e tinha repúdio aos cemitérios, sendo assim o único lugar que restava para os cristãos, como Tarcísio, participar e celebrar a sagrada Eucaristia eram as catacumbas romanas. Mas se os soldados do exército pegassem um cristão com a hóstia consagrada ou participando da Missa, era submetido na hora à torturas e ao martírio. Um dia foi preciso que levassem a comunhão à uma pessoa e para isso, era necessário passar por uma praça com soldados. Mas naquela época, levar comunhão à alguém, era praticamente uma sentença de morte, pois se o soldado desconfiasse e pegasse a pessoa com a sagrada comunhão, era morta. O garoto Tarcísio então se oferecesse e as demais pessoas não se importam, pois era uma criança e ninguém poderia desconfiar dele. Mas infelizmente Tarcísio é pego com a bolsa que levava a comunhão e então é todo cortado com lâminas e jogado vivo aos leões e assim morre o padroeiro dos coroinhas.

 

As vestes: de acordo com a tradição, todo coroinha deve ter pelo menos algum símbolo vermelho em sua veste litúrgica para lembrar o martírio de São Tarcísio. Uma sugestão é que o coroinha utilize em um primeiro momento uma túnica branca com um cíngulo vermelho (fase de aprendizado) e depois de forma solene, pode haver uma celebração em que o pároco faz a vestição dos coroinhas com a roupa "oficial", que é a túnica toda vermelha com um roquete ou sobrepeliz branco, lembrando também a pureza de São Tarcísio.

 

______________

Copyright 2003 - Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL

http://www.divinoespiritosanto.cjb.net