CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

 

6º PLANO BIENAL DOS ORGANISMOS NACIONAIS

 

 

1981/1982

 

 

APRESENTAÇÃO

 

 

O 6º Plano Bienal (1981-1982) dos Organismos Nacionais é a seqüência do anterior, dentro das "Diretrizes Gerais de Ação Pastoral da Igreja no Brasil", de 27 de setembro de 1979. Ao mesmo tempo que complementa as atividades programadas para o biênio precedente, apresenta outras iniciativas novas em cada uma das linhas de Pastoral da CNBB, levando em conta, de modo especial, as orientações dadas pelo Santo Padre em sua viagem ao Brasil. Dentro de cada programa acrescentamos uma informação sobre o cumprimento do 5.º Plano.

 

Que a publicação do 6º Plano possa permitir um trabalho pastoral orgânico em nível nacional e, de algum modo, servir de estímulo e apoio aos próprios Regionais para uma evangelização cada vez mais atuante em nosso país.

 

 

Brasília, 20 de maio de 1981

 

Luciano Mendes de Almeida

 Secretário Geral da CNBB

 

 

INTRODUÇÃO

 

 

1. Desde as orientações de João XXIII, urgindo uma coordenação orgânica das atividades pastorais na América Latina, vem a Igreja no Brasil realizando, nos seus diversos níveis, a experiência fecunda do planejamento pastoral. Iniciada com o "Plano de Emergência", em 1962, essa experiência, em âmbito nacional, continua agora com o presente 6º Plano Bienal dos Organismos Nacionais (1981-1982) que completa o período da vigência do mandato da Presidência e Comissão Episcopal de Pastoral (CEP) da CNBB eleitas para o período 1979-1982.

 

2. "A Comissão Episcopal de Pastoral, órgão executivo que coordena a execução das deliberações de ordem pastoral da Assembléia Geral e do Conselho Permanente" (Estatuto CNBB, Art. 25) juntamente com a Presidência, coordenada pelo Secretário Geral, aprova o presente plano tendo diante de si:

 

2.1 a XVII Assembléia Geral, realizada em Itaici, em abril de 1979, que decidiu, para os seguintes quatro anos, inspirar nas conclusões da III Conferência Geral do Episcopado Latino-americano a ação pastoral da Igreja no país;

 

2.2 "Diretrizes Gerais da Ação Pastoral da Igreja no Brasil" (1979-1982), que desejam expressar os grandes rumos que hoje deve tomar a Igreja cumprindo sua missão de anunciar o Reino a serviço do povo de Deus;

 

2.3 a XVIII e a XIX Assembléias Gerais, realizadas todas duas em Itaici no mês de fevereiro, uma em 1980, outra em 1981, com votações e encaminhamentos pastorais para os assuntos tratados como: Igreja e Problemas da Terra, Orientações Pastorais sobre a Catequese, valores básicos da Vida e da família, Batismos de Crianças, Vida e Ministério dos Presbíteros, Pastoral Vocacional, Orientações para celebração da Eucaristia, Tradução única da Bíblia para uso litúrgico, Propriedade e uso do solo urbano, Problema das nações indígenas, Problemas missionários;

 

2.4 a Visita Pastoral do Santo Padre João Paulo II e a mensagem transmitida em seus discursos e homilias, durante os dias de sua estada entre nós, a saber, de 30 de junho a 10 de julho de 1980;

 

2.5 a revisão do 5.º Plano Bienal dos Organismos Nacionais, assumindo atividades que devem ter continuidade no presente biênio.

 

3. Um plano de pastoral

 

3.1 define-se em função do objetivo escolhido:

 

3.2 articula-se levando em conta o nível de suas atividades e os vários tipos de recursos (humanos, materiais e financeiros etc.) disponíveis para a realização desse Objetivo;

 

3.3 realiza-se dentro de um processo de acompanhamento e avaliação da parte dos que se responsabilizam pela efetivação do que está projetado.

 

4. O 6º Plano Bienal dos Organismos Nacionais da CNBB:

 

4.1       assume o objetivo que inspirou imediatamente todas as atividades do Plano anterior, o mesmo definido em Diretrizes Gerais, a saber:

           Evangelizar

           A Sociedade Brasileira em transformação

           A partir da opção pelos pobres

           Pela libertação integral do homem

           Numa crescente participação e comunhão

           Visando à construção de uma sociedade fraterna

           Anunciando assim o Reino Definitivo;

 

4.2 abrange atividades de nível nacional que

 

a) pela sua própria razão de ser objetivam proporcionar condições e oferecer subsídios para a ação pastoral dos outros níveis da Igreja;

b) estão estruturadas em sete (7) programas que englobam projetos e atividades permanentes, correspondendo a cada linha, bem como à Presidência e Coordenação Geral, um programa:

 

4.3 tem seu processo de avaliação, acompanhamento e quadro de responsabilidade assim definidos:

 

4.3.1 Acompanhamento e Avaliação

 

a) reuniões mensais da CEP e Presidência (reuniões dos assessores com o Secretário geral, dos assessores com o Bispo da respectiva Linha, reuniões privativas dos Bispos da Presidência e CEP);

 

b) reuniões semanais da equipe de coordenação;

 

c) relatórios orais e escritos das reuniões acima;

 

d) arquivo para toda documentação do plano e com as seguintes fichas para cada projeto: identificação do projeto, acompanhamento do projeto, requisições à contadoria, prestação de contas e avaliação do projeto;

 

e) avaliação geral-parcial em fins de 1981, avaliação geral-global em fins de 1982.

 

4.3.2 Quadros Responsáveis

 

a) Nível de decisão

A CEP, juntamente com a Presidência, coordenada pelo Secretário Geral.

 

b) Nível de coordenação

Equipe presidida pelo Secretário Geral, assistido pelo Subsecretário Geral, para assuntos de pastoral.

 

c) Nível de assessoria

O corpo de assessores permanentes com os Organismos Anexos e a Comissão Nacional de Pastoral.

 

d) Nível de execução Assessores e Organismos Anexos, com outras pessoas e/ou organizações devidamente comissionadas, sob a supervisão do Bispo responsável pela respectiva Linha.

 

5.   A apresentação dos programas obedece ao esquema

 

·           Definição

·           Informação sobre o plano anterior

·           Síntese dos projetos

·           Quadro dos projetos, com

            - conteúdo

            - sistemática

- responsável

- prazo

- custo (do projeto)

·           Atividades permanentes

·           Custo (do programa).

 

N.B. - Na numeração que se encontra no quadro dos projetos, o primeiro número identifica o programa e consequentemente a Linha ou a Presidência e a Coordenação Geral (7); o segundo número, (nos programas 1 e 6), identifica ou um bloco de setores (programa 1) ou o setor da Linha (programa 6); o último número indica a seqüência dos projetos dentro do programa.

 

- O custo refere-se aos projetos de 1981. A especificação do custo de projetos para 1982 aguarda aprovação do orçamento pelo Conselho Permanente.

 

6. A cada Regional, a cada Igreja Particular, a cada Comunidade, a cada Congregação, a cada Movimento, a qualquer outra Instituição Eclesial é feito o apelo instante de assumir efetivamente, nas suas programações pastorais, o Objetivo Geral contido em "Diretrizes Gerais" para a ação pastoral, pois que ele é uma notável possibilidade concreta de tornar viável uma coordenação orgânica da atividade pastoral global.

 

 

PROGRAMA 1

 

UNIDADE VISÍVEL DA IGREJA - LINHA 1

 

 

1. Definição

 

O programa se define pelas atividades que visam corresponder às necessidades da unidade eclesial e oferecer aos diversos membros do Povo de Deus meios de formação adequada à sua vocação pessoal e específica. Ele quer também incrementar a organicidade dos diversos setores e estruturas através dos quais a Igreja cumpre sua missão evangelizadora. Pretende, enfim, responder aos apelos que provêm de algumas novas condições de vida numa sociedade em transformação.

 

2. Informação sobre o Plano anterior

 

Por razões metodológicas apenas, os setores deste programa formam dois grupos:

- o grupo dos setores cujos projetos se referem aos ministérios e estruturas eclesiais;

- o grupo dos setores cujos projetos se referem aos leigos e suas organizações pastorais.

 

2.1 Setores cujos projetos se referem aos ministérios e estruturas eclesiais:

 

2.1.1 Setor Ministérios

 

A partir da linha mestra de Puebla, o setor projetou uma revisão dos ministérios, tendo-a realizado no que se refere ao presbiterato, a partir da pesquisa entre os presbíteros, com participação da CNC, e parcialmente no que se refere ao diaconato. Não foi possível efetuar a avaliação que indicasse a atual situação dos novos ministérios, entre eles, do Ministério da Coordenação.

 

2.1.2 Setor Estruturas

 

No setor Estruturas conseguiu-se a publicação de "Comunidades Eclesiais de Base no Brasil: Experiências e perspectivas" (Estudos da CNBB, 23; Ed. Paulinas, 1979). Não foi possível realizar, embora projetada a avaliação do modo de ser e de agir de algumas estruturas novas, como Assembléias Diocesanas do Povo de Deus, Conselhos de Pastoral, repercussões das CEBs nas estruturas paroquiais e diocesanas.

 

2.1.3 Setor Operários

 

Graças à Comissão de Pastoral Operária e aos movimentos especializados (ACO E JOC) que trabalham em estreita ligação com a Linha 1:

 

- houve encontro dos Subsecretários Regionais com a equipe de Pastoral Operária, que permitiu a organização da Pastoral Operária a nível de regiões e, em alguns regionais, a constituição de uma Equipe Regional de Pastoral Operária;

 

- Realizou-se o encontro nacional de agentes comprometidos com a pastoral operária, constituindo-se momento de boa revisão do trabalho realizado no biênio pela CPO e os movimentos ACO e JOC;

 

- Concretizou-se, embora parcialmente, o encontro nacional de cristãos engajados no meio operário. Nele a CPO, ACO e JOC estudaram separadamente suas experiências, sem que tenha havido oportunidade para o confronto entre elas.

 

2.1.4 Setor Família

 

Os projetos dedicados à família realizaram-se todos e respondiam, na ocasião, à seguinte problemática:

- pastoral da família nas bases populares,

- relacionamento CEBs - Família,

- paternidade responsável.

 

2.1.5 Setor Vocações e Seminários

 

As experiências de Pastoral Vocacional mais significativas, em todos os regionais, e os resultados da pesquisa sobre o mesmo assunto, nos Centros de Documentação, foram estudados em Encontro Nacional. Os seminários e Institutos foram devidamente cadastrados, com publicação em dois fascículos "Catálogo de Seminários e outras Instituições  de  Formação  presbiteral" (Brasil-1980) e o "suplemento" do mesmo. O cadastro dos professores está em fase final de elaboração, prevendo-se sua publicação para os meados de 1981 pela OSIB. O Encontro Nacional de  Reitores  e  Diretores  de  Institutos foi realizado, tendo servido de grande valia para o documento central da Assembléia Geral da CNBB em 1981. Foi também plenamente realizado o projeto de cursos da OSIB.

 

2.2 Setores cujos projetos se referem aos leigos e suas organizações

 

2.2.1 Setor Leigos em Geral

 

As atividades projetadas demonstravam três preocupações:

 

- apoio à rearticulação do organismo, em nível nacional, de leigos pastoralmente ativos,

- reflexão sobre o engajamento político do leigo,

- elaboração de subsídios para formação e informação.

 

Dada a importância de cada um destes projetos e visto não terem sido plenamente realizados, continuarão todos no plano seguinte.

 

2.2.2 Setor Jovens

 

Sentiu-se a falta de um assessor liberado que pudesse seguir os trabalhos realizados em nível de regionais, de dioceses e de movimentos. Sendo assim:

- houve apenas um encontro, não porém de nível nacional, para o estudo da pastoral de jovens no meio popular;

- o intercâmbio de experiências regionais de pastoral de juventude através de subsídios, realizou-se parcialmente; a Pastoral Universitária   preocupou-se com organização e metodologia, chegando à constituição de equipes regionais e de Equipe Nacional Representativa;

- a criação de coordenação nacional de Pastoral da Juventude teve seu encaminhamento pelo fato de Dioceses e Regionais terem se organizado e conseguido coordenação a seu nível. Daí partirá posteriormente uma coordenação nacional.

 

2.2.3 Setor Pastoral Urbana

 

Aconteceram as atividades projetadas que pretendiam realizar:

- acompanhamento das experiências de Pastoral Urbana

- reflexão sobre as mesmas

- reelaboração de pistas de Pastoral Urbana.

 

3. Síntese dos projetos

 

3.1 Setores cujos projetos se referem aos ministérios e estruturas eclesiais:

 

3.1.1 Setor Ministérios

 

Os resultados da pesquisa nacional entre o clero servirão de base para um trabalho de aprofundamento dos problemas específicos do ministério presbiteral, à luz também do documento "Vida e ministério do Presbítero - Pastoral Vocacional" aprovado pela 19.º Assembléia Geral da Conferência dos Bispos (1.1.1). No campo do Ministério Diaconal se prevê a participação no encontro inter-regional de Diáconos Permanentes onde se apresentará a coleta de dados obtidos em 1980 e se refletirá sobre o Ministério (1.1.2).

 

3.1.2 Setor Estruturas

 

Neste setor não há projetos para este biênio, mas merecerá especial atenção, entre as atividades permanentes, o acompanhamento das Comunidades Eclesiais de Base e dos organismos de participação e corresponsabilidade eclesial.

 

3.1.3 Setor Vocações e Seminários

 

A Pastoral Vocacional se responsabiliza pela realização de três projetos:

Encontro Nacional de Pastoral Vocacional (1.1.3), que procurará estabelecer uma articulação entre as atividades da Pastoral vocacional existentes nos Regionais da CNBB e da CRB. Um Guia Pedagógico (1.1.4) para o trabalho vocacional no Brasil servirá de grande valia para a busca dessa articulação. Como terceira atividade será feito um levantamento sobre a situação e vida dos seminaristas maiores de nosso País (1.1.5).

 

O cadastro de seminários e outros Institutos de formação presbiteral facilitará o intercâmbio dos mesmos, e também a realização da pesquisa junto aos seminaristas maiores (1.1.8). O cadastro dos professores fornecerá dados para a concretização de um programa de atualização do corpo docente e dos formadores (1.1.7).

 

Os projetos acima mencionados subsidiarão a revisão do currículo filosófico-teológico e da "Ratio", principais objetivos a serem alcançados na reunião de Reitores e Diretores em 1981 (1.1.6).

 

3.2 Setores cujos projetos se referem aos leigos e suas organizações

 

3.2.1 Setor Leigos em Geral

 

Os projetos neste 6.º plano bienal visam:

- permitir um conhecimento melhor do lugar de ação e das possibilidades dos leigos (1.2.9),

- chegar à reestruturação do CML (1. 2.10),

- responder à questão tão atual da relação entre a ação comunitária e ação política (1.2.11).

 

3.2.2 Setor Jovens

 

Pelas atividades projetadas, pretende-se:

- melhor conhecimento do atual estágio da Pastoral da Juventude (1.2.12);

- percepção das suas reais necessidades e reflexão sobre elas

- em nível de grupo de estudo (1.2.13),

- em nível de participantes na ação da base (1.2.14).

- em nível de participantes na ação de base (1.2.14).

 

Com isto espera-se obter:

- farta e substanciosa documentação,

- elaboração de novos subsídios,

- constituição de coordenação ao nível nacional.

 

3.2.3 Setor Operários

 

Os projetos foram determinados a partir da experiência adquirida, deixando à CPO e aos Movimentos a responsabilidade de organizarem seus encontros em função de suas próprias possibilidades e necessidades.

 

São previstos:

- em 1981 um curso de teologia para Padres e Religiosos (1.2.16);

- outro, em 1982, para leigos engajados (1.2.15).

 

3.2.4 Setor Família

 

Neste biênio, as preocupações anteriores continuam e são respondidas nos projetos que consideram:

- pastoral da família nas bases populares, buscando conhecê-la melhor através de pesquisas existentes (1.2.22) e de sua atuação nas CEBs (1.2.20), e também animá-la através de troca de experiências (1.2.17);

- movimentos  familiares,  buscando estimular-lhes a integração na Pastoral Orgânica pelo aprofundamento e adoção das Diretrizes Gerais da Ação Pastoral da Igreja no Brasil (1.2.21);

- Sínodo sobre a família, para veicular seus resultados (1.2.18);

 

- Comissão de Emergência em Defesa da Vida, aprovada pela XVIII Assembléia Geral, tendo em vista a continuidade e melhor coordenação (1.2.19).

 

3.2.5 Setor Pastoral Urbana

 

Dada a falta de reflexão teológica sobre nossa realidade urbana e a necessidade de encontros regionais dos responsáveis pela Evangelização das cidades, são projetados:

- preparação de um curso de Pastoral Urbana (1.2.23);

- encontro dos Pastores das cidades maiores (1.2.24);

- acompanhamento das experiências atuais (1.2.25).

 

 

4. Quadro das Atividades        LINHA 1 -                           SETOR: MINISTÉRIOS

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

 

Custo

1.1.1

Análise dos problemas levantados com maior incidência na pesquisa feita entre os presbíteros e estudos sobre o documento Vida e ministérios dos Presbíteros e Vocações.

1. Reflexão sobre os mesmos nos presbitérios diocesanos, Comissões Regionais do

Clero, reuniões inter-regionais de presbíteros.

2. Encontro da CNC para avaliação do Estudo do Documento e da análise da Pesquisa em todos os Regionais e para Planejamento do Encontro nacional de Presbíteros, membros de Comissões Regionais do Clero.

3. Encontro Nacional de Presbíteros membros do CRC.

C..N.C.

1 1981 - até outubro

 

 

 

 

 

 

 

2 1981 -

20.21.22 de novembro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3 1982 -

20 a 24 de setembro

 

1.1.2

 

1. Elaboração de um texto Ministério diaconal no Brasil (Grupo de estudo).

2. Apresentação do mesmo no Encontro inter-regional de Diáconos.

Linha 1 - Setor ministérios

1. 1981 - até maio

 

 

 

 

2. 1981

26 a 28 de junho

20.000,00

 

                                                                  SETOR: VOCAÇÕES E SEMINÁRIOS

PROJETO

 

Sistemática

Responsável

Prazo

Custo

1.1.3

Reflexão sobre a Pastoral Vocacional no País.

Encontro Nacional de representantes dos Regionais da CNBB e CRB, diretamente envolvidos com o trabalho da Promoção vocacional.

Linha 1 - Setor Vocacional, Seminários e CRB

 

 

1.1.4

Elaboração de um Guia Pedagógico para o trabalho Vocacional, em âmbito Nacional.

Pesquisa nos Regionais e em Instituições pertinentes; (INP, Setor Vocações e Seminários da CNBB, CRB etc...).

Constituição de um grupo de trabalhos.

Elaboração do texto.

Publicação (estudos CNBB).

Linha 1 - Setor Vocações, Seminários e OSIB

 

100.000,00

1.1.5

Estudo sobre a situação e vida dos seminaristas maiores no Brasil.

1. Questionário aos seminaristas cadastrados nos Seminários e Institutos.

2. Análise das respostas.

3. Publicação dos resultados.

Linha 1  Setor Vocações e SemináriosParticipação: CRB,OSIB,CERIS

1. 1981 - até agosto

2. 1981 - até dezembro

3. 1982 - até maio

50.000,00

1.1.6

 

1.Reunião preparatória com a Diretoria da OSIB.

 

2 .Preparação em nível local e Regional.

 

 

3. Encontro Nacional de Reitores de Seminários e Diretores de Institutos.

Linha 1  Setor Vocações, Seminários e OSIB

1. 1981

26 a 27 de junho

 

 

2. 1981  julho até junho de 1982

 

3. 1982  1 a 4 de julho

50.000,00

1.1.7

 

1. Problemas psicológicos e morais da formação afetiva dos candidatos ao presbiterato.

2. Formação Pastoral.

Linha 1 - Vocações e Seminários

1. 1981 - julho

 

 

 

 

2. 1982 - julho

30.000,00

1.1.8

Cadastramento de Seminários.

1. Atualização do Catálogo da OSIB de 1980 através da publicação de um suplemento.

2. Publicação do Cadastro dos professores.

Linha 1  Vocações, Seminários e OSIB

 

 

 

                                                                                                 SETOR: LEIGOS

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

 

Custo

1.2.9

Reflexão pastoral sobre a presença da Igreja nos diversos meios.

Encontro de leigos representativos das diversas faixas da sociedade..

Linha 1 - Setor Leigos

Participação: C.N.L, I.N.P

1981 -  julho  agosto

50.000,00

1.2.9a

 

Encontro de diferentes grupos de oração

Linha 1 - Setor Leigos

Participação: Linha 4

1981  27 a 29 de novembro

30.000,00

1.2.10

 

Assembléia

Linha 1 - Setor Leigos

Participação: CNL

1981  28 a 29 de março

150.000,00

1.2.11

Reflexão sobre a ação comunitária da Igreja e ação política.

Seminário de estudos:

agentes de pastoral que acompanham o processo de desenvolvimento da consciência

crítica das CEBs nos diversos meios: rural, urbano, operário.

teólogos

pastoralistas.

Linha 1 - Setor Leigos Participação: 1  Setor Estruturas, Pastoral operária, Linha 6  e INP

 

120.000,00

 

                                                                                          SETOR: JUVENTUDE

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

 

Custo

1.2.12.

Situação da Pastoral de Juventude no Brasil.

Levantamento das Equipes Regionais e Diocesanas de Pastoral de

Juventude, sua constituição, organização e representatividade.

Linha 1 - Setor Juventude Participação: Linha 6

1981

10.000,00

1.2.13

 

Grupo de Trabalho

Linha 1 - Setor Juventude

1981

30.000,00

1.2.14

 

Encontro Nacional.

Linha 1 - Setor Juventude

1982 - 1o. semestre

 

 

                                                                                          SETOR: OPERÁRIOS

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

 

Custo

1.2.15

Formação teológica para Leigos engajados no movimento operário

Curso intensivo de teologia

Linha 1  Setor Operários

Participação: CPO, INP

 

 

1.2.16

Reciclagem teológica para os agentes de pastoral operária (Padres e Religiosas).

Curso de teologia

Linha 1  Setor Operários

Participação: CPO, INP

1981

120.000,00

 

                                                                                                 SETOR: FAMÍLIA

PROJETO

 

Sistemática

Responsável

Prazo

Custo

1.2.17

 

Reunião de agentes engajados em experiências de Pastoral da Família nas bases populares: Troca de experiências e avaliação destas, preparação de um relatório.Curso intensivo de teologia

Linha 1  Setor Família

1982 - 1o. semestre

 

1.2.18

Viabilização dos resultados do Sínodo dos Bispos.

Encontro Nacional de Coordenadores regionais da Pastoral da Família.

Linha 1  Setor Família

 

 

1.2.19

Acompanhamento dos trabalhos da Comissão de Emergência em Defesa da Vida.

 

Linha 1  Setor Família

 

150.000,00

1.2.20

Conhecimento da influência que as CEBs e outros grupos de base exercem sobre a família.

Visitas in loco a grupos que já tenham alguns anos de funcionamento.

Relatório pertinente.

Linha 1  Setor Família

Permanente

60.000,00

1.2.21

 

Diálogo com Movimentos Familiares.

Linha 1  Setor Família

Permanente

20.000,00

1.2.22

 

Síntese das pesquisas existentes sobre a realidade das famílias no Brasil.

Linha 1  Setor Família e INP

1981 - até novembro

50.000,00

 

                                                                              SETOR: PASTORAL URBANA

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

 

Custo

1.2.23

Montagem de um curso sobre Pastoral Urbana.

Reuniões periódicas de um grupo de especialistas.

Linha 1  Setor Pastoral Urbana e INP

 

120.000,00

1.2.24

Troca de experiência sobre Evangelização na Cidade.

Encontro de Pastores das cidades maiores.

Linha 1- SetorPastoral Urbana

1981 - outubro

120.000,00

1.2.25

 

Visitas às cidades onde existem experiências significativas.Relatório concernente.

Linha 1  Setor Pastoral Urbana

Permanente

60.000,00

1.2.26

 

 

Linha 1  Setor Pastoral Urbana

Permanente

 

 

 

5. Atividades permanentes

 

5.1 Setores Ministérios e Estruturas Eclesiais

- Assessoria aos Regionais.

- Entrosamento com CNC, CRB e INP.

- Reflexão e elaboração de subsídios pastorais.

- Pesquisa, análise, reflexão, produção de subsídios tendo em vista:

- a caminhada das Comunidades Eclesiais de Base,

- a experiência de organismos de participação e corresponsabilidade eclesiais.

 

5.2 Setor Vocações e Seminários

 

- Assessoria aos Regionais.

- Análise e acompanhamento das atividades dos Regionais no campo da promoção e formação vocacional.

- Estabelecimento de meios práticos que favoreçam o intercâmbio das atividades constantes dos regionais que se referem à Pastoral Vocacional (todos os Regionais coletam seu material e experiências endereçando-os ao Nacional, e o Nacional envia para todos os Regionais).

- Intensificação desse intercâmbio em momentos mais fortes da ação pastoral vocacional no país, como, mês vocacional (agosto), dia mundial de orações pelas vocações, etc.

- Contato regular com a CRB, especialmente, através do representante desta junto à CNBB, ao qual, além do entrosamento maior com este setor da Linha 1, incumbe:

 

· participar das reuniões da Presidência e CEP

· promover sempre mais entre os Religiosos o

sentido teológico das vocações

· empenhar-se para a implementação das diretrizes e Linhas de ação dos   Encontros Nacionais da CNBB e CRB

· envidar esforços para que a dimensão vocacional se faça presente e atuante na Pastoral familiar, nas CEBs, nos movimentos paroquiais, nas escolas, no meio dos jovens e crianças;

· informar devidamente a CNBB sobre os Planos da CRB

 

- Participação nos encontros nacionais dos Institutos Seculares.

- Incentivo a uma adequada coordenação nacional dos Institutos Seculares e das novas formas de vida consagrada no mundo.

 

5.3 Setores Leigos, Família, Juventude, Pastoral Operária e Pastoral Urbana

 

- Assessoria aos Regionais.

- Presença em Encontros Nacionais e outros mais significativos dos Movimentos e Associações de Leigos.

- Animação das coordenações Regionais de Leigos ou incentivo à formação destas onde não existam ainda.

- Acompanhamento da escolha dos Assistentes Eclesiásticos de Movimentos de Leigos, bem como de sua atuação.

- Acompanhamento de como é impostada a Pastoral de Juventude nas coordenações regionais, nos cursos e encontros dos movimentos de jovens etc.

- Esforço de coletar e conservar devidamente, por Regionais, documentação essencial da Pastoral de Juventude, a fim de preservar-lhe a memória.

- Contato e diálogo freqüentes com pessoas e entidades não eclesiásticas, conhecedoras da problemática nacional, para acompanhamento de sua evolução, suas manifestações e exigências.

- Incentivo à formação de assessorias constituídas de leigos engajados na vida e na luta operária para os vários níveis de reflexão e ação da Igreja.

 

6. Custo                                                          Cr$ 1.440.000,00

6.1 Projetos                                                     Cr$ 1.260.000,00

6.2 Atividades Permanentes                              Cr$    180.000,00

 

 

PROGRAMA 2

 

AÇÃO E ANIMAÇÃO MISSIONÁRIAS - LINHA 2

 

1. Definição

 

O programa se define pelas atividades que animam o Povo de Deus para descobrir, desenvolver e assumir sua vocação missionária, orientando-o no cumprimento de "seu empenho de corresponsabilidade e comunhão intereclesial, na evangelização de regiões e situações missionárias, dentro do País e fora dele" (XIX Ass. da CNBB - V.9).

 

2. Informação sobre o Plano Anterior

 

No 5.º Plano Bienal, o Programa 2 incluía 13 projetos, todos realizados.

 

- Foram coletados dados sobre a situação das Igrejas carentes em recursos humanos e materiais, em vista de orientações concretas que incentivem a comunhão e corresponsabilidade intereclesial, na evangelização de situações e regiões missionárias, especialmente através dos programas "Igrejas-Irmãs".

 

- O encontro sobre Evangelização e cultura, realizado em 1980, pôs as bases para serem aprofundados problemas pastorais apresentados pelas etnias e culturas indígenas e afro-brasileiras.

 

- Foram também proveitosos os encontros para a articulação e orientação de Institutos e Organismos missionários, especialmente no campo da animação, da promoção vocacional e da formação de missionários.

 

- Por sua vez, o CENFI-SCAI continuou a organizar e realizar os cursos de primeira aculturação e de reciclagem dos missionários estrangeiros.

 

- As Pontifícias Obras Missionárias continuaram a coordenar e orientar, inserindo-a no plano de pastoral de conjunto da Igreja no País, animação missionária, com produção de subsídios, especialmente para o mês de outubro, com a publicação de um boletim mensal, a colaboração na produção de audiovisuais e a participação em encontros em diversas comunidades do Brasil.

 

3. Síntese dos projetos

 

Baseada na avaliação do plano bienal findo, a Linha 2 reduziu ao mínimo indispensável seus projetos, procurando dar  continuidade à sua atuação através de programas de atividades permanentes.

 

O diálogo entre evangelização e culturas é condição imprescindível para a atividade missionária. Para aprofundar suas exigências e perspectivas, a Linha 2 organizará encontro anual de estudiosos: em 1981, sobre evangelização e cultura indígena, e em 1982 sobre evangelização e cultura afro-brasileira (2.1). Outro encontro anual será realizado para os formadores de institutos missionários. No ano de 1981 será abordada a mesma problemática de evangelização e culturas para estudar as perspectivas formativas dos futuros missionários, neste campo (2.3).

 

A articulação dos Institutos e Organismos missionários continuará através de reuniões e encontros da Diretoria do COMINA e da sua assembléia anual (2.2).

 

As Pontifícias Obras Missionárias incumbem-se de articular e executar a animação missionária do País, no contexto do plano de pastoral de conjunto. Para isto, foram incluídos os projetos 2.4 e 2.5.

 

O projeto 2.6 visa proporcionar a devida preparação aos missionários estrangeiros que chegam ao Brasil. Ele fica sob a responsabilidade direta do CENFI-SCAI.

 

Os projetos 2.7 e 2.8 dizem respeito à participação no 2.º Congresso Missionário Latino-Americano.

 

 

4. Quadro das Atividades   LINHA 2  SETOR:  AÇÃO E ANIMAÇÃO MISSIONÁRIA

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

 

Custo

2.1

Reflexão sobre evangelização e culturas.

1.Encontro anual de estudiosos sobre pastoral indígena.

2. Encontro anual de estudiosos sobre pastoral afro-brasileira.

Linha 2 

Participação: Linha 5, CIMI

 

120.000,00

2.2

Articulação de Institutos e Organismos Missionários com a Igreja Local

Reuniões periódicas da Diretoria do COMINA, da qual a Linha 2 faz

parte e assembléia anual com participação de responsáveis por: Congregações, Movimentos Missionários, Representantes de Regionais da CNBB e das Dioceses.

Linha 2

biênio

120.000,00

2.3

 

Encontro anual de formadores de missionários e de responsáveis pela formação nas várias províncias de Congregações Missionárias.

Linha 2

1981 - setembro

80.000,00

2.4

 

Celebrar anualmente em todo o país o Mês Missionário (outubro).

PPOOMM

biênio

por conta da PPOOMM

2.5

Produção de audiovisuais missionários.

Produção de slides, filmes em S. 8 e 16mm relacionados com o tema da Campanha Missionária anual ou outros temas de cunho missionário.

Linha 2 e PPOOMM

 

 

2.6

Iniciação e/ou aprofundamento dos missionários estrangeiros na língua e cultura brasileira.

1.Reciclagem com 30 missionários

 

 

2. 39o Curso com 46 missionários

 

3. Reciclagem com 30 missionários

 

4. 40o  Curso com 46 missionários

 

CENFI-SCAI

 

Verba própria

2.7

Reflexão sobre a responsabilidade missionária à luz de Puebla.

Participação na preparação e realização do II Congresso Missionário

Latino-Americano.

Linha 2 e PPOOMM

biênio

 

2.8

 

Participação no II Congresso Missionário Latino-Americano

Linha 2 e PPOOMM

1982  21 a 25 de novembro

 

 

 

5. Atividades permanentes

 

·         Assessoria pastoral às Prelazias e Igrejas carentes, através de     visitas, encontros, correspondência, fornecimento de      subsídios:

·         Articulação e acompanhamento dos Programas Igrejas-Irmãs:

          XVII Assembléia Geral V. 2.

·         Animação missionária do Brasil, nas duas dimensões interna e     externa, promovendo e orientando Centros de Animação             Missionária Regionais (COMIREs), preparando subsídios,         participando em encontros, orientando os MCS na          sensibilização missionária: Cf. XV e XIX Assembléia V. 2 e         V. 9.

·         Articulação e Institutos e Organismos Missionários           existentes no País; XIX Assembléia Geral V. 9.

·         Articulação do recrutamento, preparação, assistência e     acompanhamento dos missionários brasileiros e estrangeiros;     XIX Assembléia Geral V. 9.3.

·         Intercâmbio de experiências pastorais e troca de informações        entre Igrejas da África e do Brasil em vista de mais intensa         comunhão intereclesial; XIX Assembléia Geral V. 9.2.

·         Articulação e acompanhamento das situações missionárias do      País especialmente as apontadas por Puebla (indígenas, afro-     brasileiros, etc.) e pela Assembléia Geral de 1979 (reuniões      com os responsáveis de grupos de base e do grupo de tarefa);    XIX Assembléia Geral V. 9.4.

·         Acompanhamento das minorias étnicas estrangeiras não- cristãs, para uma presença evangelizadora no meio delas.

 

6. Custo                                                                      Cr$ 680.000,00

6.1   Projetos                                                               Cr$ 320.000,00

6.2 Atividades Permanentes                              Cr$ 360.000,00

 

 

PROGRAMA 3

 

CATEQUESE - LINHA 3

 

1. Definição

 

O programa se define pelas atividades que visam a unificação da ação catequética no Brasil, como um processo permanente de educação da fé, através de diretrizes e linhas de ação (itinerário básico comum, formação de agentes, incremento da pastoral bíblica e do ensino religioso) que surgirão com a participação dos Regionais e Dioceses e Institutos especializados e em consonância com as orientações pastorais sobre a catequese das últimas Assembléias da CNBB.

 

       2. Informação sobre o Plano anterior

 

No 5.º Plano Bienal, a Linha 3 preocupou-se, desde o início, em estabelecer princípios e critérios para uma pedagogia da fé, visando uma catequese permanente. Para realizar esta meta, o programa 3 incluiu 7 projetos interligados.

O ponto de partida foi "Revisão sobre os textos catequéticos", complementado pelas reflexões de um grupo de trabalho que procurou descobrir orientações pastorais para a catequese e que, depois, foram votadas na 18.ª Assembléia Geral da CNBB.

Com a colaboração dos Regionais, elaborou-se um itinerário permanente da catequese, cujo estudo continua durante o ano de 1981.

O Projeto dos 300.000 exemplares do Novo Testamento, oferta do Adveniat, concluiu-se com sua distribuição a todas as Dioceses e Prelazias do Brasil.

O projeto da revisão do Ensino Religioso ainda está em execução.

A reflexão sobre a formação catequética nos seminários, também prevista, foi transferida para o 6.º Plano Bienal, aguardando orientações definitivas da Assembléia dos Bispos sobre a pastoral catequética.

A publicação de comentários sobre a "Catechesi Tradendae" não foi realizada visto terem aparecido várias publicações sobre o assunto.

 

       3. Síntese dos projetos

 

Os projetos do Programa 3 dão continuidade as atividades projetadas no 5.º Plano Bienal (79-80).

Os projetos 3.1 e 3.2 visam dinamizar a reflexão sobre o Instrumento de Trabalho votado na 19.ª Assembléia, em vista da elaboração de Orientações em torno da Catequese.

Tendo em vista a formação de agentes de Catequese, o projeto 3.3 visa organizar a seção de Catequese no Instituto Nacional de Pastoral; o projeto 3.6 ajudará na qualificação de professores de Catequese para os futuros presbíteros e religiosos; e o projeto 3.7 procurará unificar os objetivos das Escolas e Institutos de Catequese.

 

4. Quadro das Atividades                   LINHA 3                  SETOR: CATEQUESE

PROJETO

 

Sistemática

Responsável

Prazo

Custo

3.1

Elaboração de Documento Base.

1. Apresentação do Documento Base na 19a Assembléia Geral.

2. Reflexão, aprofundamento e complementação do mesmo pelas Dioceses.

3. Análise das respostas das dioceses e Regionais.

4. Votação em Assembléia da CNBB.

Linha 3ha Participação: INP, Grupo de trabalho

2 Participação: Linha 5, CIMI

 

75.000,00

3.2

Pastoral Catequética no Brasil

Encontro Nacional de Catequese, um em cada ano, com os

coordenadores e representantes dos Regionais.

Linha 3 Participação: INP, Grupo de trabalho

 

50.000,00

3.3

Organização da seção de catequese dentro do INP.

Grupo de trabalho - provisório

- Participação nas reuniões mensais do INP

- Elaboração de regimento da seção de Pastoral Catequética.

Linha 3 e INP

1981 - 1o. semestre

25.000,00

3.4

 

Levantamento da situação do ensino religioso escolar.

- Análise das respostas (G.T.)

- Encontro Nacional de responsáveis estaduais pelo ensino religioso

Linha 3

Participação: Linha 6, setor Educação e AEC

5 a 7 de agosto de 1981

80.000,00

3.5

 

1.Levantamento e análise do caráter evangelizador de momentos e tempos fortes de evangelização.

2. Encontro de análise e reflexão tendo em vista critérios e linhas de ação comum dentro da pastoral orgânica.

3. Elaboração e publicação de um texto de referência.

Linha 3

Participação: Linha 2, Linha 4 e Linha 6, setor Educação, Secr. Geral, Responsáveis de: CF, Mês da Bíblia, Mês das Missões, Novena de Natal, Missões Populares

1981

1. até maio

2. até maio

3. em 1982

40.000,00

3.6

Qualificação de professores de catequese para formação catequética dos futuros presbíteros.

Levantamento de professores de catequese.

- Criação de um grupo de trabalho com participação de peritos.

- Encontro de professores de catequese.

Linha 3

Participação: INP, Linha 1, setor ministérios

 

 

3.7

Reflexão sobre e análise dos Objetivos das Escolas e Institutos de Catequese existentes no Brasil.

Encontro Nacional de responsáveis por Escolas e Institutos de Catequese.

Linha 3

Participação: INP

 

 

3.8

Troca de experiências e análise da pastoral bíblica no Brasil.

Encontro de representantes da pastoral bíblica.

- Apresentação de projeto sobre pastoral bíblica.

- Criação de um grupo de trabalho.

- Elaboração de subsídios sobre pastoral bíblica.

Linha 3 - Grupo de trabalho

1.1981  3 a 4 de julho

2. 1982

50.000,00

3.9

 

Encontro do Cone Sul promovido pelo CELAM.

Três participantes do Brasil convidados pela CNBB.

CELAM

1981  11 a 15 de maio

30.000,00

 

 

5. Atividades permanentes

 

·    Dentro da opção preferencial pelos pobres, os momentos fortes de Evangelização (C.F., Mês da Bíblia, Mês Missionário, Novena de Natal, Missões populares, etc.) são de inestimável valor. Por isso, os projetos 3. a 3.8 visam a integração destes momentos e de todas as experiências de Estudos bíblicos em nível popular dentro do processo de catequese permanente.

·    O projeto 3.4 tenta fazer a revisão da implantação do ensino religioso nas escolas da rede oficial, afim de integrá-lo melhor no processo de educação permanente da fé.

·    A CNBB - Linha 3 (Catequese) - quer, através do projeto 3.10, dar sua contribuição à busca do novo tipo de catequista para a América Latina, no encontro do Cone Sul, promovido pelo CELAM em Curitiba.

·    Incremento da comunicação e da integração de atividades catequéticas do Nacional com os Regionais, pela:

- participação em encontros regionais e inter-regionais de catequese

- assessoria aos regionais na formação de agentes de pastoral catequética, de equipes, centros ou institutos de catequese, por um grupo (itinerante) de trabalho.

·    Promoção de entrosamento entre os Seminários Maiores, Institutos de catequese e Instituto Nacional de Pastoral visando a uma reflexão conjunta sobre a importância e a necessidade da dimensão catequética na formação teológico-pastoral dos futuros presbíteros e agentes leigos de pastoral, e sobre os caminhos concretos de como viabilizá-la.

·    Freqüente contato com bispos, teólogos, biblicistas, pastoralistas, educadores e comunicadores, a fim de envolvê-los na reflexão catequética e em atividades concretas (comissões de estudo, cursos, encontros, etc.) promovidos pela Linha.

·    Relacionamento com a Liga de Estudos Bíblicos, outros grupos de pastoral bíblica, Sociedade Bíblica do Brasil e com as editoras católicas para acompanhamento de atividades sobre edições da Bíblia e de obras catequéticas.

·                                                                                 Ampliação do serviço de resenha de textos catequéticos.

·           Participação na equipe coordenadora da elaboração dos subsídios de evangelização para as Campanhas da Fraternidade, Mês da Bíblia, Mês das Missões, Novena do Natal, etc.

·           Participação em atividades de catequese, a nível continental promovidas pelo CELAM.

·        Colaboração em revistas especializadas de catequese.

 

6. Custo                                                                      Cr$ 450.000,00

6.1  Projetos                                                                Cr$ 350.000,00

6.2  Atividades Permanentes                                         Cr$ 100.000,00

 

 

PROGRAMA 4

 

LITURGIA - LINHA 4

 

1. Definição

 

O programa se define pelas atividades que promovem a vivência litúrgica, integrada pela piedade popular e pela oração particular, tendo em vista que Cristo, que veio evangelizar os pobres, na celebração do mistério pascal, assume e liberta o Povo de Deus e por ele a humanidade em sua história, rumo à plenitude da comunhão e participação.

 

2. Informação sobre o Plano anterior

 

Dos 14 projetos do plano anterior, a Linha 4 realizou 11. A elaboração de subsídios para a primeira comunhão e das monições populares para os sacramentos foram apenas Iniciadas; o intercâmbio ecumênico de música não pôde ser realizado porque o CONIC não foi constituído.

O encontro de reflexão sobre Liturgia de Rádio e Televisão fora pensado como preparação para o encontro nacional sobre a mesma matéria, a ser realizado em julho de 1981. Os projetos sobre religiosidade popular e liturgia culminaram num seminário de estudos, cujos resultados deverão ser aplicados pela Linha 4. Os encontros com os bispos representantes dos regionais em assuntos de liturgia, com os professores, com os autores de folhetos litúrgicos, com os músicos e aquele com os dirigentes da Renovação Carismática, tiveram tanta aceitação que serão repetidos cada ano.

 

3. Síntese dos projetos

 

Os projetos do 6.º Plano Bienal são, em parte, continuação de projetos iniciados, a saber: monições populares para os sacramentos (4.10), subsídios para primeira comunhão (4.14) e piedade popular e liturgia (4.12); ou preparados, como o encontro nacional sobre liturgia de rádio é televisão (4.7).

Os encontros com os bispos (4.3), professores (4.4), autores de folhetos (4.5), músicos (4.6) e representantes de grupos de oração (4.13), continuarão as atividades iniciadas no ano anterior, como novos encontros. Um grande encontro, previsto para 1982, integrará estes 5 grupos (4.8) que trabalham em diferentes campos da liturgia. Os projetos sobre o diálogo com a Santa Sé a respeito da celebração da Santa Missa (4.1) e sobre a tradução única da Bíblia (4.2) correspondem a um encargo da XIX Assembléia Geral da CNBB.

 

Como todos os projetos já mencionados, também os outros:

- ou visam uma maior adaptação e encarnação da liturgia na realidade do Brasil:

- reflexão sobre a liturgia na CEB (4.11);

- elaboração de celebrações para diversas circunstâncias (4.15);

- elaboração de um rito adaptado da renovação das promessas batismais (4. 16);

- elaboração de um rito adaptado da renovação das promessas batismais (4.16);

- elaboração de uma edição popular da Liturgia das Horas (4.18);

- ou querem responder a exigências da pastoral litúrgica no Brasil:

- elaboração de orientações para os domingos temáticos (4.9),

- elaboração de um cancioneiro litúrgico (4.17),

- elaboração de cantos para a Liturgia das Horas (4.19).

 

4. Quadro das Atividades                   LINHA 4                  SETOR: LITURGIA

PROJETO

 

Sistemática

Responsável

Prazo

Custo

4.1

Orientações litúrgico-pastorais sobre a celebração da Santa Missa.

1. Debate e aprovação pela 19a Assembléia Geral da CNBB.

2. Continuação do Diálogo com a Santa Sé.

Linha 4

 

 

4.2

Tradução Única da Bíblia para o uso imediato na Liturgia.

1. Escolha da tradução pela Presidência e CEP.

2. Equipe de trabalho para Revisão.

3. Exame e aprovação pela CEEATIL.

4. Confirmação pela Santa Sé.

Linha 4

 

100.000,00

4.3

Liturgia no Brasil.

Encontro Nacional dos Bispos

Representantes dos Regionais.

Linha 4

1981  11 a 14 de julho

50.000,00

4.4

 

Encontro Nacional de professores de liturgia.

Linha 4

1981  6 a 9 de julho

50.000,00

4.5

 

Encontro Nacional de autores e editores de Folhetos Litúrgicos.

Linha 4

1981 - 9 a 11 de julho

30.000,00

4.6

Música Litúrgica no Brasil.

Encontro Nacional de coordenadores e compositores de música litúrgica.

Linha 4

 

40.000,00

4.7

Liturgia de Rádio e TV à Luz de Puebla.

Encontro Nacional.

Linha 4,  Linha 6,  Setor comunicação social

 

100.000,00

4.8

Reflexão crítica sobre a realidade litúrgica no Brasil.

Encontro Nacional de Bispos representantes dos Regionais; Professores;

autores de folhetos; artistas, músicos; representantes de grupos de oração e da Religiosidade popular.

Linha 4

1982 - julho

 

4.9

 

1. Grupo de Trabalho.

2. Publicação.

Linha 4

1. 1981 - dezembro

2. 1982

30.000,00

4.10

 

Constituição do Grupo de Trabalho.

Elaboração das monições.

Linha 4

1982 - maio

50.000,00

4.11

Reflexão sobre as celebrações litúrgicas nas CEBs.

1. Localização das experiências mais significativas, coletas de dados.

2 Análise.Relatório e Divulgação.

Linha 4

 

10.000,00

4.12

Estudo do aproveitamento dos valores e correção dos desvios da piedade popular.

Aproveitamento dos resultados do seminário de fevereiro de 1981.

Estudo em equipes sob a orientação da Linha 4 visando publicação de subsídios.

Linha 4

 

100.000,00

4.13

Publicação de subsídios catequéticos e litúrgicos para a primeira comunhão.

1.Levantamento e coleta de material existente.

2. Análise, seleção e sistematização do mesmo.

3. Elaboração e/ou publicação.

Linha 4 e Linha 3

1. 1981 - até junho

2. 1981 - até dezembro

3. 1982

20.000,00

4.14

 

Coleta, seleção e sistematização do material existente.

Publicação.

Linha 4

1981 - dezembro

20.000,00

4.15

 

Grupo de trabalho

Linha 4

1981 - dezembro

10.000,00

4.16

Elaboração de um cancioneiro litúrgico nacional.

1. Levantamento dos melhores cantos litúrgicos em todo o país e seleção dos mesmos em nível Regional.

2. Equipe Nacional de técnicos e liturgos para a seleção.

3. Publicação.

Linha 4

 

15.000,00

4.17

Edição popular para a Liturgia das Horas.

Trabalho de grupo.

Linha 4

 

 

4.18

Composição de Cantos para a Liturgia das Horas.

1. Levantamento do que já existe.

2. Composição dos  cantos e recitativos do que não existe ainda.

Linha 4

1981 - início

15.000,00

 

5. Atividades permanentes

 

·           Participação em encontros

- regionais de Liturgia a serem promovidos sob a responsabilidade dos Bispos representantes dos Regionais,

- de formadores de seminários e casas de religiosos e religiosas (em âmbito nacional e regional).

·           Serviço de traduções

- Texto bíblico único para o uso litúrgico,

- Missal Romano,

- Liturgia das Horas,

- Rito de Dedicação de Igrejas,

- Documentário Litúrgico.

·           Assessorias

- à Campanha da Fraternidade,

- a questões de arte sacra,

- aos Regionais e Dioceses (cursos, encontros),

- à revista "A Vida em Cristo e na Igreja",

- ao Curso de Especialização em Liturgia do Ipiranga - SP.

·           Correspondência e intercâmbio de material litúrgico com o CELAM, Conferências Episcopais nacionais e outras instituições.

 

6. Custos                                                         Cr$ 790.000,00

6.1 Projetos                                                     Cr$ 640.000,00

6.2 Atividades Permanente                               Cr$ 150.000,00

 

 

PROGRAMA 5

 

ECUMENISMO E DIÁLOGO RELIGIOSO - LINHA 5

 

1. Definição

 

O programa se define pelas atividades que estimulam o espírito de serviço à causa da unidade de todos os cristãos e à atitude de diálogo religioso com outros grupos humanos.

Mais do que um programa de atividades próprias, o ecumenismo e o diálogo religioso se caracterizam por um espírito a penetrar todas as dimensões de vida da Igreja, e, portanto, também todos os programas de atividades das demais linhas de ação.

 

2. Informação sobre o Plano Anterior

 

A Linha 5, Ecumenismo e Diálogo Religioso, procurou, desde o início de sua atividade no seio da CNBB, servir a causa da unidade da Igreja e sua aproximação dos outros grupos humanos.

Os responsáveis pela Linha 5 participaram, no decorrer dos anos, de encontros com representantes de outras Igrejas cristãs e grupos não-cristãos. A Igreja Católica, através dos responsáveis pela Linha 5, se fez presente na CESE, i.e., Coordenadoria Ecumênica de Serviços, organização a serviço da promoção humana. O Conselho Nacional de Igrejas Cristãs em formação (CONIC) conta com a presença do Presidente da CNBB assessorado pela Linha 5.

Entre os projetos realizados, figura o Guia Ecumênico, que reatualizou, para o Brasil, o Diretório Ecumênico do Secretariado para a Unidade dos Cristãos de 1967. Foi publicado na coleção "Estudos da CNBB", n0 21, em 1979. Destina-se primeiramente aos pastores e agentes de pastoral.

Aguarda publicação imediata o Guia Ecumênico Popular que apresenta informações sobre Igrejas e comunidades. Foi escrito em linguagem mais simples, e se dirige diretamente mais as nossas bases populares, e, em geral, aos cristãos de todas as confissões, desejosos da unidade da Igreja. Figurará na coleção "Estudos da CNBB".

Outro projeto pretendia elaborar por extenso um informativo sobre Igrejas e comunidades cristãs existentes no Brasil. O grupo de trabalho, examinando prós e contras, preferiu finalmente deixar a elaboração a outrem, sem engajar a autoridade da CNBB.

Já se deu o primeiro passo no intuito de preparar um Guia para o diálogo com religiões não-cristãs. Encontros mais freqüentes para este fim são planejados.

 

3. Síntese dos projetos

 

Cabe à Linha 5 manter o contato constante com os 3 Secretariados da Santa Sé que tratam de ecumenismo e diálogo religioso, a saber: Secretariado para a unidade dos cristãos; Secretariado para os não-cristãos; e Secretariado para os não-crentes. Neste biênio, nos esforçaremos por tornar mais conhecido e melhor aplicado entre nós o documento "A Colaboração Ecumênica a Nível Regional, Nacional e Local", publicado pelo Secretariado para a Unidade dos Cristãos, em 22/2/75 (5.1).

Continuando com a preocupação do plano anterior a respeito da formação ecumênica de agentes de pastoral, esperamos atingir especialmente os futuros presbíteros (5.2).

Durante este período será ultimado o Guia para o relacionamento com religiões não-cristãs (5.3) e intensificado o diálogo com a comunidade Israelita (5.4) e com a Igreja Ortodoxa (5.5).

 

4. Quadro das Atividades        LINHA 5    SETOR: ECUMENISMO E DIÁLOGO RELIGIOSO

PROJETO

 

Sistemática

Responsável

Prazo

Custo

5.1

 

Participação nas Assembléias Regionais a convite das mesmas.

Linha 5

Permanente

150.000,00

5.2

Formação ecumênica de futuros presbíteros.

Participação de um encontro com os responsáveis pela formação teológica OSIB.

OSIB

Participação

Linha 5

 

30.000,00

5.3

Preparação de um Guia para o relacionamento com religiões não-cristãs.

Grupo de trabalho.

Linha 5

Participação: da Linha 2

 

50.000,00

5.4

Diálogo religioso com o Judaísmo.

Grupo misto de trabalho.

Linha 5

biênio

30.000,00

5.5

 

Grupo misto de trabalho.

Linha 5

biênio

30.000,00

 

 

5. Atividades permanentes

 

Setor - Ecumenismo

 

·           Animação da Semana da Unidade:

tradução e publicação dos subsídios.

·           Diálogos com outras Igrejas Cristãs:

- participação da Presidência da CNBB assessorada pela Linha 5, nos encontros de Dirigentes Nacionais de Igrejas Cristãs, (junho e novembro de 1981),

- participação em Assembléias Nacionais de outras Igrejas Cristãs

- acompanhamento das Comissões bilaterais com a Igreja Episcopal e Igreja Evangélica de Confissão Luterana

- encontros de teólogos Católicos e Evangélicos em reuniões do INP;

- participação em encontros nacionais de líderes Pentecostais e de Católicos e Evangélicos da Renovação Carismática

- colaboração ecumênica em Música Sacra; participação no encontro anual de Música Sacra.

·           Participação nas reuniões da Diretoria e da Assembléia da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE).

·           Contato com Organismos Ecumênicos e Interconfessionais Nacionais (CEI - CEDI, Sociedade Bíblica do Brasil); e Internacionais (Conselho Mundial de Igrejas).

·           Colaboração com a assessoria da Linha 3 (Catequese):

 

1.acompanhamento do Ensino Religioso sob o aspecto ecumênico e interconfessional;

2. fornecer-lhe publicações bíblicas e catequéticas das outras confissões.

 

Setor - Diálogo Religioso

 

·           Acompanhamento de iniciativas locais de diálogo com o Islamismo e com Antigas e Novas Religiões Orientais.

·           Verificação e análise do fenômeno da não-crença, especialmente nos meios universitários e operários.

 

6.         Custo                                                              Cr$ 400.000,00

6.1       Projetos                                                           Cr$ 294.000,00

6.2       Atividades Permanentes                                    Cr$ 106.000,00

 

 

PROGRAMA 6

 

PRESENÇA DA IGREJA NO MUNDO - LINHA 6

 

1. Definição

 

O programa se define pelas atividades que visam, dentro da evangelização, atuar a dimensão social do compromisso cristão de transformar a sociedade através:

 

- da defesa e promoção da dignidade da pessoa humana,

- da educação para a justiça e a fraternidade,

- do estímulo à criação de organizações assumidas pelo próprio povo,

- e da formação da consciência crítica e participativa na comunicação humana, nos MCS e na informação.

 

Seus serviços incidem em vários campos, seja sobre o corpo eclesial, seja diretamente sobre a sociedade, dando atenção prioritária, durante este biênio, aos seguintes aspectos: conscientização continuada das exigências do Evangelho no campo social, político, educacional e no de comunicação social; apoio a iniciativas e organizações de caráter popular e à promoção dos direitos dos mais pobres, marginalizados ou oprimidos; formação de agentes de pastoral nos vários campos de atuação da Linha; questionamento contínuo às organizações existentes para que sejam agentes de transformação da sociedade, no sentido da justiça e da fraternidade; defesa do direito à liberdade de expressão.

 

2. Informação sobre o Plano Anterior

 

Os projetos do Programa distribuem-se pelos 3 setores: Ação Social, que inclui a seção de Migrações e Turismo Social. Muitos desses projetos, quanto à execução, encontram-se sob responsabilidade dos organismos ligados à CNBB (AEC, CARITAS, CERIS, IBRADES, MEB).

 

2.1 Setor Ação Social

 

a) Visando à formação de agentes de pastoral social, a Linha 6 colaborou com a Linha 1 na preparação de subsídios de formação. Foram publicados, a título de experiência, alguns desses subsídios. O projeto de estudos sobre temas específicos não foi realizado, tendo sido integrado dentro do projeto 6.1.1. Para a dinamização da pastoral social a nível nacional, foi contratado um técnico que atua junto ao Regional Leste 1, prevendo-se a contratação de mais dois, para atuarem na área de Brasília e do Nordeste.

O encontro nacional de agentes de pastoral da mulher marginalizada foi realizado no Rio de Janeiro em julho de 1980. Mostrou que se trata de uma pastoral particularmente difícil e carente de maior apoio das dioceses.

No decorrer de 1980, a Linha 6, setor Ação Social, foi encarregada de acompanhar a pastoral rural, tendo promovido a realização de dois encontros inter-regionais. Entre outros resultados, destacaram-se um maior entrosamento entre os grupos que se dedicam à pastoral rural e uma crescente atenção para o sentido global de sua atuação.

Entre as atividades permanentes, sobressaem a presença dada pela Linha 6 junto aos Organismos CARITAS, CERIS, CJP, CPT, IBRADES e a atenção à problemática da terra no meio rural, sobretudo em áreas de tensão social. A Linha 6, com o IBRADES, colaborou também na elaboração de um manual de Doutrina Social ("Fé Cristã e Compromisso Social").

 

b) Caritas Brasileira

Os projetos previstos no 5.º Plano Bienal, sob responsabilidade da Caritas Brasileira, foram todos realizados: intensificou a dinamização da ação social em nível diocesano, através de contatos, encontros na área de 4 regionais; aí também se realizou a capacitação dos dirigentes de obras sociais e assessoria para novos tipos de obras sociais ou serviços, destinados ao atendimento de novas formas de marginalização, iniciando-se assim um processo de revisão crítica do trabalho das Obras Sociais da Igreja e a capacitação do pessoal que atua nas Obras; o atendimento a refugiados políticos em trânsito pelo Brasil foi realizado com bastante objetividade, contando com a participação de vários organismos; o projeto "reconstrução de casas para as vítimas das enchentes" foi desenvolvido em 36 dioceses, com a construção de 5.000 casas, realizado sob a forma de mutirão, o projeto desenvolve um processo educativo e comunitário desde a nucleação do pessoal atingido até a construção de casas.

 

c) IBRADES

O IBRADES concretizou o que lhe competia: realizar estudos e pesquisas sobre aspectos específicos da realidade nacional; manter cursos breves e longos para atualização e reciclagem de agentes de pastoral, religiosos, educadores e jovens, para a atualização e dinamização destes agentes e, através deles, da ação social da Igreja no Brasil, com o objetivo de obter que nesta ação as pessoas envolvidas, especialmente as classes populares, se tornem protagonistas do seu próprio desenvolvimento e de transformação da sociedade.

 

d) CERIS

Um projeto que mereceu atenção especial foi o da avaliação das obras sociais da Igreja, que resultou na montagem de uma pesquisa nacional  sobre obras sociais mantidas ou apoiadas pela Igreja, pesquisa que se encontra em fase de execução pelo CERIS.

 

e) Migrações e Turismo

A seção de Migrações e Turismo promoveu acompanhamento dos grupos étnicos (imigrantes) através de um encontro de seus capelães (S. Paulo, 17/11/79), sendo que o programado para 1980 não se efetivou por motivos superiores. Participou dos seguintes eventos: Congresso Mundial das Migrações (Roma, Itália, 12/7/79); Encontro Latino-americano de organismos católicos de migrações (Bogotá, Colômbia, 10-14/7/80); Encontro Internacional sobre Migrações Limítrofes (Foz de Iguaçu, PR, 5-7/7/70); Encontros Internacionais de Pastoral do Turismo e Apostolado do Mar, através de Bispos que atuam no setor (Roma, Itália, novembro de 1979); Encontro Regional do Sul 1, Nordeste 2 e sub-regional Centro do Nordeste 3. Colaborou na preparação da CF 80. Foram escritos vários artigos sobre Migração e Eucaristia, publicados em revistas e livros. Os simpósios sobre Migrações internas não se realizaram a não ser em áreas bem restritas. O projeto de divulgação de documentos sobre migrações está em fase de coleta de material. A seção manteve contato com a Pastoral dos Pescadores e produziu programas radiofônicos para a Pastoral das Rodovias.

 

2.2 Setor Educação

 

No 5.º Plano Bienal, o Setor Educação dividiu sua programação em duas áreas maiores, caracterizadas por atividades ligadas à educação formal e não-formal, atribuindo a responsabilidade maior de cada uma a dois organismos: a AEC e o MEB, respectivamente.

Foram programados oito projetos para realização desses objetivos, todos executados. No âmbito de educação formal, efetivou-se a realização de seminários, a divulgação do resultado dos mesmos, e a dinamização das campanhas da CNBB, nas Comunidades Educativas; e, no âmbito da educação não-formal, a dinamização de atividades comunitárias de auto-ajuda, a capacitação de lideranças, a elaboração de programas radiofônicos educativos para o meio rural, a elaboração de material de apoio e treinamento em técnicas de trabalho em grupo e a dinamização das Campanhas da CNBB no meio rural.

 

2.3 Setor Comunicação Social

 

As atividades previam:

- a reflexão sobre a pastoral da comunicação e elaboração de material, visando à formação da consciência crítica e da opinião pública em face dos Meios de Comunicação

- estímulo à elaboração de subsídios para Rádio e TV em datas significativas;

- concessão do prêmio Margarida de Prata, continuando o incentivo à produção de filmes nacionais que promovem valores humanos e evangélicos. Nesse biênio (79-80) fez-se uma significativa caminhada no sentido de organizar e dinamizar as Equipes Regionais de Comunicação Social, incentivar uma presença sempre mais viva da Igreja nos canais massivos e grupais e reunir alguns comunicadores cristãos para comprometê-los com a ação pastoral da Igreja neste campo.

 

3. Síntese dos projetos

 

3.1 Setor Ação Social

 

a) Visando à formação de agentes, o setor deseja elaborar subsídios para o estudo da realidade e orientação da ação social da Igreja (6.1.1). Buscando prestar serviços a Regionais, dioceses, movimentos ou grupos pastorais, prevêem-se projetos que se destinam à assessoria em questões de terras da Igreja (6.1.2) animação e articulação da pastoral rural (6.1.3), animação da Pastoral da mulher marginalizada (6.1.4) e à dinamização dos trabalhos de coordenação da ação social (6. 1.5). Continua o acompanhamento da pesquisa das obras sociais da Igreja, que vêm sendo executada pelo CERIS, contando também com a colaboração da CARITAS. Para um maior aproveitamento dos resultados da pesquisa, prevê-se a realização de um seminário conclusivo; a elaboração, pelo IBRADES, de um manual de subsídios para a formação de agentes de obras sociais e o estudo mais aprofundado de algumas que mais se destaquem (6.1.6). O projeto de capacitação de dirigentes de obras sociais (6.1.16), a cargo da CARITAS, faz parte deste esforço de renovação da ação social da Igreja.

 

b) Caritas Brasileira

A CARITAS se propõe intensificar a animação da ação social em nível diocesano (6. 1.14), capacitar dirigentes de obras sociais para uma mentalidade mais aberta às exigências sociais (6.1.16), prestar ajuda a refugiados políticos em trânsito pelo Brasil (6.1.15) e atuar em situações de emergência (6.1.17)

 

c) IBRADES

Da sua programação, como Organismo da CNBB, figuram neste Plano Bienal dos organismos nacionais sua contribuição na formação social de agentes de pastoral através de dois cursos longos anualmente (6.1.12) e diversos cursos breves (6.1. 13) com os mesmos objetivos do biênio anterior, envolvendo-se ainda neste biênio com agentes de CEBs e de regiões mais carentes.

 

d) Migrações e Turismo

Além da participação nas atividades comuns a toda a Linha 6, a seção de Migrações e Turismo visará, durante o biênio, dar continuidade ao despertar da consciência sobre migrações provocado pela CF 80 e visará a implementação dos serviços surgidos em favor dos migrantes (6.1 7). Estudará dados do Censo 80 sobre população e fluxos migratórios (6.1.8). Procurará acompanhar a Pastoral Migratória em nível internacional, latino-americano particularmente (6.1.9); dará atenção às migrações limítrofes e aos grupos de migrantes que ainda necessitarem de particular assistência (6.1.10) e à Pastoral dos Pescadores (6.1,11)

 

3.2 Setor Educação

 

A Linha 6, Setor Educação, atuando junto com a AEC e o MEB, propõe-se promover seminários nacionais, regionais e estaduais, elaborar e publicar subsídios, coordenar encontros de agentes de educação e dinamizar a organização de grupos de trabalho para cada uma das áreas especificadas nos seguintes projetos: Dinamização das Campanhas da CNBB nas Comunidades Educativas (6.2.18); dinamização da Pastoral do Leigo Educador (6.2.19); promoção de estudos e troca de experiências para agentes de educação popular e educação de adultos (6.2.20) e aprofundamento da prática da educação para a justiça através da revisão e reformulação dos currículos escolares (6.2.21).

 

3.3 Setor Comunicações

 

O Setor de Comunicação pretende dar continuidade a projetos já iniciados no 5.º Plano, acentuando sobretudo a área de formação de elementos humanos no campo da comunicação social. Assim, deseja neste biênio:

 

- urgir a formação dos agentes de pastoral para que conheçam, compreendam e experimentem mais a fundo o fenômeno da comunicação social, a fim de que adaptem as respostas pastorais a esta nova realidade e se integre a comunicação na pastoral de conjunto" (P. 1083) (6.3.22; 6. 3.27; 6.3.32; 6.3.33);

 

- animar e estruturar as Equipes Regionais de Comunicação para que "a articulação com a pastoral orgânica seja efetiva" (P. 1084), respondendo às exigências das bases regionais (6.3.23; 6.3.24; 6.3.26);

 

- ser presença da Igreja nos MCS incentivando a produção de bons programas, preocupando-se com a vivência cristã dos comunicadores, estimulando a elaboração de subsídios para datas significativas da Igreja (6.3.25; 6.3.28; 6.3.29; 6.3.30; 6.3. 31).

 

4. Quadro das Atividades                      LINHA  6                    SETOR:  AÇÃO SOCIAL

PROJETO

 

Sistemática

Responsável

Prazo

Custo

6.1.1

Preparação e difusão de subsídios para o estudo da realidade e a orientação da ação social da Igreja.

Seleção de assuntos.

Preparação de fichas.

Publicação e difusão das mesmas.

Linha 6, Linha 1, Setor Leigos

Participação: CEDAC (Centro de Animação Comunitária), INP

 

30.000,00

6.1.2

Serviço de assessoria em questões de terras da Igreja.

Levantamento de situações críticas de terras da Igreja.

Estudo da situação jurídica e social de alguns casos de terras que apresentem problemas, e busca de soluções alternativas.

Sugerir encontro de Dioceses e Congregações que tenham interesse em procurar em comum soluções evangélicas.

CERIS

Participação: Linha 6, A/S, CPT, IBRADES, C.J.P., CRB

 

 

6.1.3

Animação e articulação da Pastoral Rural.

1.Encontro inter-regional dos Regionais do Centro do País.

2. Encontro Nacional da Pastoral Rural.

Linha 6, A/S

Participação: CPT  ACR,  MER, CJP  FAG, MEB

1. 1981 - 2o sem.

2. 1982 - 2o sem.

50.000,00

6.1.4

 

1. Participação de representante da CNBB no encontro Regional (SP).

2. Participação de representante da CNBB no encontro Regional de Belém (Pará).

3. Participação no Encontro Nacional em João Pessoa.Grupo misto de trabalho.

Linha 6, A/S

1. 1981  1 a 3 março

2. 1981  - julho

3. 1982

60.000,00

6.1.5

 

Completar o quadro de 3 técnicos (sediados no Rio, no Nordeste e em Brasília).  Contato periódico dos técnicos com o secretário da Linha 6 e com os regionais de sua área de ação.

Relatórios trimestrais.

Linha 6, A/S

biênio

 

6.1.6

Acompanhamento da pesquisa das Obras Sociais da Igreja.

Reuniões periódicas de representante da Linha 6 com a equipe da pesquisa.

- Seminário conclusivo sobre os resultados da pesquisa.

- Elaboração de subsídios para a formação de pessoal que trabalha nas obras sociais.

- Estudo em profundidade de algumas obras em alguns Regionais.

Linha 6, A/S

Participação: Coordenação da pesquisa, (CERIS), Caritas,  Técnicos IBRADES

 

70.000,00

6.1.7

Implementação de serviços aos migrantes como continuidade da Campanha da Fraternidade 80.

Levantamento das iniciativas práticas da Campanha da

Fraternidade de 1980.

- Encontros Regionais dos responsáveis pelas mesmas.

- Encontro Nacional.

Linha 6, A/S, Migrações e Turismo

 

50.000,00

6.1.8

Estudo dos dados oficiais do Censo 1980 pelo IBGE referentes às migrações e do relacionamento deles com as atividades pastorais de âmbito nacional ou regional.

Coleta de dados.

- Análise dos mesmos.

- Publicação das conclusões.

Linha 6, A/S, Migrações e Turismo

biênio

10.000,00

6.1.9

 

Participação no encontro dos organismos católicos de migração:

1. do Cone Sul

2.latino-americano.

Linha 6, A/S, Migrações e Turismo

1. 1981

2. 1982

20.000,00

6.1.10

 

Encontro anual com representantes dos grupos.

Linha 6, A/S, Migrações e Turismo

biênio

20.000,00

6.1.11

Acompanhamento da Pastoral dos pescadores do Brasil.

Participação no encontro anual da Comissão Nacional.

Participação na Assembléia Geral dos representantes das colônias de pescadores.

Linha 6, A/S, Migrações e Turismo

 

30.000,00

6.1.12

Formação social dos agentes de Pastoral.

Cursos, com duração de 4 meses, realizados na sede do IBRADES, destinados a agentes de pastoral, encaminhados preferencialmente pelas Dioceses e Regionais da CNBB.

Linha 6, A/S, IBRADES

 

 

6.1.13

Formação social de agentes de pastoral preferencialmente junto às CEBs e regiões mais carentes.

Cursos breves (4 a 10 dias) por solicitação de Regionais, Dioceses, Organismos Religiosos etc., sobre a realidade sócio-econômica do Brasil, tendo em vista a educação da consciência no seu engajamento específico.

Linha 6, A/S, IBRADES

biênio

 

6.1.14

 

Contatos com os bispos locais.

Participação nas Assembléias Diocesanas e Regionais (CNBB)

Encontros diocesanos e regionais com Grupos que atuam na Ação Social.

Linha 6, A/S, CARITAS

biênio

100.000,00

6.1.15

 

Reconhecimento pelo ACNUR,

Assistência médica, sócio-econômica.

Assistência jurídica.

Solicitação de asilo político.

Linha 6, A/S, CARITAS

biênio

 

6.1.16

Capacitação de dirigentes de obras sociais.

Encontro/cursos de formação para agentes de Pastoral e dirigentes de Obras.

- Assessoria ao trabalho das Obras Sociais existentes, e aos grupos destinados ao atendimento das novas formas de marginalização.

- Atuação específica com grupos que trabalham com pessoas deficientes menores e idosos.

Linha 6, A/S, CARITAS

 

 

6.1.17

Reconstrução de casas de vítimas de situações de emergência.

Realização da Campanha.

Organização de grupos para execução do  projeto.

Seminário de avaliação.

Linha 6, A/S, CARITAS

 

 

 

                                                                                                 SETOR: EDUCAÇÃO

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

Prazo

Custo

6.2.18

 

Seminário Nacional com um representante de cada Estado, em vistas a CF/82.

- Um seminário em cada Estado.

- Palestras e seminários locais.

Linha 6, Educaação, AEC

biênio

 

6.2.19

 

Elaboração e publicação de subsídios.

Promoção de encontros onde o leigo educador assuma seu papel de evangelizador.

Linha 6, Educação, AEC

biênio

 

6.2.20

Promoção de Estudos e troca de experiências para agentes de Educação

popular e educação de adultos em Obras da Igreja.

Encontros e seminários em nível estadual e nacional.

Elaboração e publicação de subsídios.

Linha 6, Educação, AEC, MEB

 

 

6.2.21

Aprofundamento da prática da educação para a justiça através de estímulo e assessoria para revisão e reformulação.

Constituição de grupos de trabalho a nível nacional e regional. Publicação de subsídios.

Intercâmbio de experiências.

Linha 6, Educação, AEC, MEB

 

 

 

                                                                       SETOR: COMUNICAÇÃO SOCIAL

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

Prazo

Custo

6.3.22

 

Cursos e encontros Regionais:

1o Nordeste 1, 2 e 4

2o Norte 1 e 2

3o Sul 1

4o Extremo-Oeste

5o Sul 2

Linha 6, Com. Social

biênio

150.000,00

6.3.23

 

Encontro trimestral do Grupo de Reflexão com a assessoria da L. 6, Com. Social.

Linha 6, Comunicação Social

biênio

80.000,00

6.3.24

Pesquisa sobre a presença da Igreja nos MCS.

Tabulação dos dados da pesquisa /80.

- Leitura crítica por especialistas.

- Elaboração de textos interpretativos dos dados e publicação.

Linha 6, Comunicação Social

 

70.000,00

6.3.25

Apoio ao cinema nacional mediante premiação Margarida de Prata.

Concessão do Prêmio Margarida de Prata.

- seleção por júri especial,

- entrega do prêmio na sede da CNBB.

- Festival Margarida de Prata(grandes centros)

Linha 6, Comunicação Social, Equipe de Cinema

 

70.000,00

6.3.26

Dia mundial das Comunicações.

Fornecimento de material e subsídios aos Regionais.

Divulgação através dos MCS.

Linha 6, Comunicação Social

Permanente

30.000,00

6.3.27

 

Reuniões preparatórias.

- Encontro de Peritos em comunicação e teólogos.

- Publicação do resultado.

Linha 6, Comunicação Social e INP

1981 - junho

20.000,00

6.3.28

 

1o Levantamento (pessoas e iniciativas).

2o Encontro dos agentes responsáveis pelas iniciativas mais expressivas.

Linha 6, Comunicação Social, Equipe de audiovisual

biênio

30.000,00

6.3.29

Divulgação do conteúdo catequético da visita do Papa ao Brasil.

Produção de 6 filmes: O Papa e as vocações, O Papa e a saúde, O Papa e os jovens, O Papa e os direitos humanos, O Papa e os índios, O Papa e a Eucaristia.

- Veiculação nos Regionais, Dioceses e Congregações Religiosas.

Linha 6, Comunicação Social, Equipe de Cinema

 

verba própria

6.3.30

Elaboração e utilização de spots para TV em datas significativas (1. Vocações; 2. Advento; 3. Comunicações; 4. Bíblia).

Preparação dos spots.

- Veiculação através dos Regionais.

Linha 6, Comunicação Social

 

verba própria

6.3.31

Elaboração de subsídios para orientação cinematográfica.

 Seleção de filmes julgados merecedores de audiência.

Preparação de ficha adequada.

Publicação e divulgação.

Linha 6, Comunicação Social, OCIC

permanente

verba própria

6.3.32

 

Curso para formadores de Vida Religiosa.

Linha 6, Comunicação Social e CRB

 

verba própria

6.3.33

 

Seminário de peritos latino-americanos.

UNDA, AL/BR

Participação: Linha 6, Comunicação Social

1981 - outubro

verba própria

 

 

5 - Atividades permanentes

 

5.1 Setor Ação Social

 

·           Animação das atividades da Linha, orientando-as de acordo com os objetivos definidos nas Diretrizes Gerais da Ação Pastoral da Igreja no Brasil (1979-82);

·           reflexão sobre a problemática nacional e questões sociais de atualidade;

·           presença às assembléias e encontros de Organismos Anexos à CNBB - Linha 6;

·           entrosamento com os Regionais da CNBB e apoio a suas iniciativas ou solicitações de assessoria em questões sociais;

·           colaboração com as outras linhas da CNBB, dentro da dimensão social;

·           contato e eventual apoio a grupos e movimentos de ação social, sobretudo quando de caráter popular e voltados para a defesa dos interesses do povo humilde;

·           participação em encontros e seminários sobre temas que interessam às atividades da Linha;

·           diálogo com leigos com preocupação de atuação no campo social;

·           divulgação do trabalho social realizado em diversos níveis,

·           estudo e divulgação do ensinamento social da Igreja;

·           contato e colaboração, a nível internacional, particularmente com o Departamento Social do CELAM

·           acompanhamento e estímulo às atividades referentes à Pastoral dos Marinheiros, dos Motoristas e do Turismo

·           assistência missionária, trabalhando conjuntamente com a Linha 2, nas áreas onde mais se fazem sentir as migrações;

·                incentivo e assessoria à ação caritativa da Igreja.

 

5.2 Setor Educação

 

·           Estímulo à aplicação, no campo da Educação, dos Diretrizes Gerais da Ação Pastoral da Igreja no Brasil.

·           Entrosamento da CNBB com AEC, ABESC, MEB e outros organismos educacionais congêneres, de âmbito nacional e/ou regional.

·           Entrosamento com a CRB em aspectos relacionados com a educação.

·           Colaboração com as outras linhas da CNBB, dentro da dimensão educacional.

·           Participação em encontros e seminários que interessam às atividades do setor.

·           Incentivo e assessoria à criação e/ou dinamização de Equipes Regionais de Educação.

·           Contato e colaboração com organismos de educação e nível internacional particularmente com o D.E.C. do CELAM.

 

5.3 Setor Comunicações

 

·           Correspondência com Instituições e Organismos de Comunicação nacionais e estrangeiros  (UNDA,  OCIC,  UCIP,  UCLAP, DECOS...),

·           Produção do minifilme e disco da Campanha da Fraternidade.

·           Estímulo ao estudo da problemática do Teatro e TV (novelas).

·           Incentivo aos programas de valor humano e espiritual (contatos com produtores, autores, animadores, apresentadores). Estimular a "Pastoral da Amizade" junto aos Profissionais da Comunicação.

·           Estimular a constituição da Equipe de Reflexão nos Regionais.

·           Fortalecer  a  atual  Equipe  de  Reflexão, aumentando o número das reuniões, fixando datas, e ampliando a participação.

·           Promover o estímulo e o intercâmbio de subsídios entre os Regionais.

·           Participar dos Encontros e Programas realizados nos Regionais.

·           Promover uma Bibliografia constantemente atualizada sobre Pastoral da Comunicação e outros temas de atualidades e de certa relevância, para favorecer de modo especial aos Regionais mais necessitados.

·           Ativa correspondência entre Regionais e instituições de Comunicação (UNDA, UCBC, e outros).

 

6.         Custo                                                  Cr$ 1.004.000,00

6.1.      Projetos                                               Cr$    890.000,00

6.2.      Atividades permanentes             Cr$    114.000,00

 

 

PROGRAMA 7

 

COORDENAÇÃO GERAL E SERVIÇOS ESPECIAIS

PRESIDÊNCIA, SECRETARIADO GERAL E CEP

 

1. Definição

 

O programa se define pelas atividades, cujas coordenação e execução mais imediatas são assumidas neste 6.º Plano Bienal de atividades pela Presidência, Secretariado Geral e Comissão Episcopal de Pastoral, no exercício do seu ministério próprio de oferecer às Igrejas particulares no país meios e condições que possibilitem uma ação mais orgânica de Igreja.

 

2. Informação sobre o Plano anterior

 

O programa, conforme previsão feita no 5.º Plano Bienal, constituiu-se de projetos que previam reuniões dos órgãos institucionais da CNBB, a revisão e programação da Campanha da Fraternidade, bem como coordenação de acontecimentos marcantes para a Igreja (Visita ad Limina, Visita do Papa ao Brasil). Somente o projeto 7.4 (Reunião da Comissão Nacional de Pastoral) não se realizou, dada a mudança de sua estrutura, após revisão de sua constituição feita pelos Bispos da Comissão Episcopal de Pastoral (CEP).

 

3. Síntese dos projetos

 

As atividades do programa se consubstanciam em:

- projetos que correspondem à realização das reuniões dos órgãos institucionais da CNBB em nível Nacional:

- Assembléia Geral (7.1),

- Conselho Permanente (7.2),

- Presidência e Comissão Episcopal de Pastoral (7.3),

- Conselho Fiscal (7.4),

- bem como do órgão subsidiário dirigido pela CEP, a Comissão Nacional de Pastoral (7.5);

- projeto atinente à grande ação evangelizadora empreendida anualmente de modo orgânico e simultâneo em todo país: a Campanha da Fraternidade (7.6);

- projeto de prestação de serviço aos Bispos que têm populações indígenas em suas áreas, para aprofundamento das exigências de uma pastoral indigenista hoje (7.7);

- projeto que contínua com os Regionais um estudo para assimilação das Diretrizes Gerais (7.8);

- projeto que deseja continuar a prática sugerida em "Mutuae Relationes", estabelecendo encontros semestrais entre a Presidência da Conferência dos Bispos e a Diretoria da Conferência dos Religiosos do Brasil.

 

4.         Quadro das Atividades

 

 

LINHA 7 - SETOR:

4. Quadro das Atividades             LINHA  7            SETOR: COORDENAÇÃO GERAL

PROJETO

Conteúdo

Sistemática

Responsável

 

Custo

7.1

XIX Assembléia Geral da CNBB.

Reuniões plenárias.

Reuniões por grupos regionais, inter-regionais, comissões especiais integradas.

Reuniões por grupos de estudo.

Presidência CEP

Secretariado

Geral

 

 

7.2

Reunião do Conselho Permanente.

1. Convocação com antecedência razoável.

2. Reuniões e encontros por grupos constituídos segundo as conveniências.

Presidência, CEP, Secretariado Geral

 

 

7.3

 

Reuniões

- privativas dos Bispos,

- por linhas da ação pastoral,

- sessões de estudo.

Secretariado Geral

1981

16 de fevereiro

24-26 de março

28-30 de abril

26-28 de maio

23-25 de junho

24 de agosto

22-24 de setembro

27-29  de outubro

24-26 de novembro

27-29 de dezembro

 

7.4

 

Reunião do Conselho Fiscal.

Secretariado Geral

 

 

7.5

Reunião da Comissão Nacional de Pastoral.

1. Convocação com antecedência razoável.

2. Reuniões (plenárias; por grupos; por comissões especializadas segundo as necessidades e conveniências)

CEP

 

 

7.6

Reunião da Campanha da Fraternidade

- Avaliação da CF/81,

- implementação da CF/82,

- primeiras decisões para a CF/83.

Síntese e análise dos relatórios regionais da CF/1981.

Troca de experiências realizadas nos regionais.

Reflexão sobre a implementação (tema, slogan, subsídios) da CF/82.

Reflexão sobre as primeiras medidas da CF/1983.

Presidência,  Secretariado Geral

 

 

7.7

Objetivos da Pastoral indígena no Brasil especialmente à luz de Ad Gentes, Puebla e discurso do Papa no Brasil.

Encontro dos Bispos em cujas áreas existem população indígena.

Presidência

1981  14 a 16 de fevereiro

 

7.8

 

Encontro Nacional de subsecretários regionais.

Secretariado Geral

 

 

7.9

 

Reflexão sobre um tema de interesse comum.

Tratamento de assuntos que interessam às duas Conferências.

Presidência CNBB,  Diretoria CRB

1981

27 de abril

24 de novembro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5. Atividades permanentes

 

·           Aproveitamento e/ou criação de oportunidades para o aprofundamento do afeto colegial entre os Bispos.

·           Estudo dos assuntos de interesse comum da Igreja no País para melhor promover a ação pastoral orgânica.

·           Relacionamento com a Sé Apostólica.

·           Entrosamento com a Nunciatura Apostólica.

·           Relacionamento com as outras Conferências Episcopais e Conselhos de Conferências de Bispos.

·           Elaboração, publicação e expedição dos órgãos informativos: "Notícias", semanalmente e "Comunicado Mensal", mensalmente.

·           Relacionamento com os poderes públicos, a serviço do bem comum (Estatuto CNBB, Cap. I art. 1.º).

·           Acompanhamento do 5.º Plano Bienal no conjunto de sua execução.

·           Assessoria aos Regionais.

·           Acompanhamento das atividades dos Tribunais Eclesiásticos Regionais.

·           Reuniões ordinárias, via de regra semanais, do Secretário Geral, Subsecretários Gerais, Assessores Nacionais, Diretores de Organismos Anexos e outros assessores.

·           Encaminhamento de casos e situações de violação dos direitos humanos aos organismos da Igreja e instâncias de autoridades competentes.

 

 

6º PLANO BIENAL 81/82

 

OBSERVAÇÕES GERAIS

 

1. Quantidade de projetos:

 

Programa 1                                                                                         27

Programa 2                                                                                           8

Programa 3                                                                                           9

Programa 4                                                                                         18

Programa 5                                                                                           5

Programa 6                                                                                         33

Programa 7                                                                                           9

                                                                                                                  109

 

 

2. Distribuição quanto ao prazo

 

2.1. Com realização em 1981                                        41

2.2. Com realização em 1982                                        15

2.3. Parte em 1981, parte em 1982                                           17

2.4. Para encerrar em dezembro de 1982 (biênio)                        26

2.5. Permanente                                                                      10

                                                                                            109

 

3. Classificação dos projetos

 

3.1 Projetos de reflexão ou estudo e análise de temas                                 25

 

3.2 Projetos que pretendam conhecimento de

situação,levantamentos, pesquisas                                                            12

 

3.3 Projetos que se referem à formação de pessoas                                    13

 

3.4 Projetos que implicam participação em encontros,

organismos, etc., de outros níveis                                                              10

 

3.5 Projetos que dizem respeito a acompanhamento,

prestação de assessoria, ou outros serviços, incentivo,

articulação, animação com relação a outros níveis                                       17

 

3.6 Projetos que propõem troca de experiências                                           4

 

3.7 Projetos que pretendem produção de subsídios,

textos, pistas, etc.                                                                                    21

 

3.8 Projetos que se referem à criação de algum

organismo                                                                                                 1

 

3.9 Projetos para revisão de situações                                                        1

 

3.10 Projetos que se referem a reuniões

dos Bispos, Organismos diretores e

outros organismos da CNBB                                                                5

                                                                         109

 

 

ORGANISMOS NACIONAIS

 

DISTRIBUIÇÃO DE VERBAS

 

(RESUMO)

 

Exercício de 1981

 

1. O teto orçamentário aprovado para o exercício de 1981 pelo Conselho Permanente foi de:

 

Cr$ 12.500.000,00

para as despesas administrativas (despesas com pessoal, despesas  com material, despesas gerais, encargos sociais, etc.).

Cr$ 12.500.000,00

para os projetos pastorais.

 

para os projetos específicos e administrativos do INP.

 

 

2. De fato deve ser do seguinte modo distribuído o global da  verba para os  projetos pastorais, Cr$12.500.000,00

 

 

A. ATIVIDADES PERMANENTES

 

— Assembléia Geral 81.                                                          700.000,00

 

— Reuniões Presidência e CEP, conforme

calendário (viagens, etc.)                                                        1.100.000,00

 

— Reunião anual do Conselho Permanente                                 320.000,00

 

— Reunião anual da Comissão Nacional de

Pastoral                                                                                   140.000,00

 

— Encontro anual dos Subsecretários Regionais

(só hospedagem)                                                                        36.000,00

 

— Viagens dos assessores aos Regionais                                 750.000,00

 

— Atividades emergentes                                                           650.000,00

 

— Côngruas dos assessores                                                   2.960.000,00

 

— Contribuição para o departamento

de  Estatística  do CER IS                                                       1.080.000,00

                                                                                             ___________

                                                                                  Cr$ 7.736.000,00

 

B. ATIVIDADES PASTORAIS ESPECÍFICAS

(programas e projetos)

 

Programa 1                                                                  1.440.000,00

Programa 2                                                                     680.000,00

Programa 3                                                                     450.000,00

Programa 4                                                                     790.000,00

Programa 5                                                                     400.000,00

Programa 6                                                                1.004.000,00

Programa 7                                          Cr$ 4.764.000,00

 

   Cr$  7.736.000,00

   Cr$  4.764.000,00

   Cr$12.500.000,00

 

 

 

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Fonte: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB

Web site: www.cnbb.org.br