| Loucura |

Página Inicial

21/07/02

MONS. PEDRO TEIXEIRA CAVALCANTE *


      Um famoso escritor holandês escreveu um livro intitulado “Elogio da Loucura”. Eu não chego a tanto, mas não posso deixar de escrever que existe uma loucura, que é uma verdadeira loucura, ou seja, que é fantástica, maravilhosa e que todo mundo deveria procurar tê-la e vivê-la.
      Todos os santos sofreram dessa loucura e, por isso, todos eles foram loucos de alguma maneira e alguns deles mais do que outros. Tudo começou com Jesus, que foi tido como louco pelos próprios parentes.
      São Paulo refere-se à loucura várias vezes. Ele foi acusado de louco no sentido comum da palavra e não aceitou a acusação, porque desmerecia sua missão (At 26,24-25), nem hesitou em condenar outra espécie de loucura, a loucura do pecado (Rm 1,27). Todavia, reconhece e exalta uma terceira espécie de loucura, a loucura da cruz (1 Co 1,18-23), que é a verdadeira loucura dos santos. Esta era a loucura da sua pregação (1 Co 1,21), loucura de Deus (1 Co 1,25), que é a verdadeira sabedoria. A sabedoria do mundo, essa é também loucura, mas uma loucura doida e néscia (1 Co, 3,19). Sob este prisma, é preciso fazer-nos loucos por Deus (1 Co 3,18), pois Deus escolhe justamente esses loucos (1 Co 1,27). Paulo termina seu discurso sobre aloucura, declarando sem rodeios e feliz: nóssomos loucos por Jesus Cristo (1 Co 4,10; 2 Co 5,13) e pede aos cristãos que suportem essa sua loucura especial (2 Co 11,1), porque ela é sábia e santa.
      Santa Teresinha, na escola do Calvário e apaixonada por Jesus, dizia-se inebriada e transformada pela “folie d’amour” (loucura de amor!). Aqui, estão a explicação e a definição da loucura desejada e abençoada, a loucura de e por amor a Deus. Feliz quem se tornar vítima dessa doença humano-divina, a loucura de amor, a loucura por Deus!


(*) É DOUTOR EM TEOLOGIA E VIGÁRIO GERAL

Copyright  2002 -  Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL