| Água, pão e vida |

Página Inicial

21/04/02

MONS. PEDRO TEIXEIRA CAVALCANTE *


     É impressionante como a Bíblia insiste neste trio de fundamental importância existencial: água, pão e vida. O Evangelho de São João, de modo particular, é campeão nessa insistência. Com efeito, a cada passo, o evangelista teólogo volta ao tema de que Cristo é água viva, que jorra para a eternidade; que é pão vivo descido do céu e que mata a fome para sempre de quem dele alimentar-se; que é a verdadeira vida, vida em plenitude, vida eterna. Desde o prólogo até o final, passando pelo capítulo quarto com o diálogo com a samaritana sobre a água viva; o capítulo sexto, onde o Mestre discursa sobre o pão da vida; o capítulo décimo onde Jesus diz, expressamente, que veio para dar a vida total, chega-se à conclusão, exarada no capítulo décimo quarto, que é a síntese de todo o discurso teológico e místico: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (14,6).
     Na verdade, como Deus, que se solidarizou com o homem tomando sua carne, Jesus se tornou a fonte mais pura e mais segura da água, que dessedenta para sempre e do pão que alimenta e sustenta a vida até a eternidade.
     Infelizmente, os homens, sempre sedentos e vazios, sempre à procura de algo que lhes mate a sede e a fome – e, aqui, falo do mundo espiritual – mesmo conhecendo os evangelhos, vão beber em cisternas rotas e nojentas, de água impura e contaminada, como já reclamava e lamentava o profeta Jeremias (2,13).
Se nós cristãos temos Cristo, por que buscamos ideologias ocas e vazias, que não respondem aos nossos anseios e necessidades? Por que procuramos matar a sede a fome em religiões, seitas e lugares, que não nos realizam, satisfazem e que, por vezes, chegam mesmo a nos explorar e nos deixar mais vazios e atormentados? Não é mesmo uma tolice abandonar e esquecer a água pura e cristalina, sadia e purificada; o pão gostoso do céu, que é o próprio corpo e sangue do Senhor, que nos alimenta e sacia, dando-nos vida e vida em abundância, para irmos à procura do que não corresponde aos nossos sonhos, desejos e anseios mais íntimos e mais profundos?
     * É doutor em teologia e vigário-geral

Copyright  2002 -  Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL