| Pentecostes |

Página Inicial

19/05/02

MONS. PEDRO TEIXEIRA CAVALCANTE *


     Pentecostes é festa dos judeus e é festa dos cristãos. No Antigo Testamento, ela é chamada de festa da colheita ou das primícias da colheita de trigo (Ex. 23,14-17), ou festa das semanas (Ex. 34,22). Seu sentido é agrícola e parece que era uma das três maiores festas judaicas. No Novo Testamento, tudo começa com o capítulo segundo dos Atos, no qual se narra a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos, cinqüenta dias após a ressurreição do Senhor.

     Para nós, cristãos, portanto, Pentecostes é a festa máxima do Espírito Santo, pois, a partir de então se inicia, de maneira especial, a missão do Espírito divino no mistério salvífico. Diz-se que se inicia de uma maneira especial, porque “se a descida do Espírito sobre os apóstolos aconteceu depois da volta do Filho à direita do Pai, todavia, a missão do Espírito é ordenada a continuar na Igreja a Encarnação do Filho. O Espírito Santo desceu sobre Maria e o Verbo de Deus se encarnou no seu puríssimo seio, desceu sobre Jesus no batismo e Ele se tornou o Cristo, desceu sobre os apóstolos e os uniu a Jesus e continua, por meio deles, a sua obra, a sua mesma vida”. Logo, a missão do Amor permeia tudo.

     O Espírito Santo é o eterno Amor, que une o Eterno Amante (o Pai) ao eterno Amado (o Filho). A sua processão, eterna como o próprio ser do Pai e do Filho, dá-se no amor, sendo ele o próprio Amor do Pai e do Filho. Assim sendo, o Espírito Santo é a vida de Deus, que é amor (I Jo, 4).

     Como a “processão do Espírito Santo termina em um incêndio imenso (e infinito) de amor, no qual o Pai e o Filho, juntos, amam e são amados, que é a incompreensível vida de Deus, assim na missão desse mesmo Espírito se realiza a comunicação de Deus à humanidade”. A processão do Espírito na Trindade só se entende pelo amor, do mesmo modo, a descida do Espírito sobre a humanidade nada mais é do que o extravasamento desse Amor eterno sobre os homens, como já acontecera na criação do mundo. Pentecostes, pois, para nós cristãos, é festa de amor e do Amor!

     (*) É DOUTOR EM TEOLOGIA E VIGÁRIO GERAL

Copyright  2002 -  Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL