| Uma viagem quase "cem" graça(s) |

Página Inicial

18/08/02

MONS. PEDRO TEIXEIRA CAVALCANTE *

     Certo dia, em Brasília, tomei um avião de uma companhia aérea, cujo nome não quero dizer, mas que tem quatro letras e começa com V e termina com p, às 20h30, quando ele deveria sair da capital federal às 19h30. Nem sequer ele correu na pista de decolagem e já parou, quebrado. O avião era velho e dava evidentes sinais de sua velhice. Os passageiros ficaram 30 minutos dentro do avião, esperando uma solução, quando o comandante mandou que todos saíssem para pegar outra nave. Andando de lá para cá, terminamos todos voltando ao mesmo avião, agora consertado. Foi avisado que os passageiros que fariam conexão em Salvador para Maceió e Recife não teriam mais essa oportunidade e que deveriam fazer pernoite. Por volta de uma da manhã, estávamos em um hotel, em Salvador, simples e modesto, para descansar um pouco, mas não havia mais jantar e tudo que a tal companhia aérea tinha nos dado, como tal, fora um pãozinho recheado e um copo de coca-cola. O jeito foi comer outro sanduíche com suco de laranja. No dia seguinte, tivemos de esperar mais 3 horas no aeroporto de Brasília, para tomar outro avião e chegar em Maceió, com um atraso de 13 horas.
     Por que essa história é quase cem graça(s)? Note, prezado leitor, que escrevi cem e, não, sem. É simplesmente porque ela me deu muitas lições, muitas graças, malgrado ser quase sem graça. A primeira foi que nesses momentos, revelam-se as pessoas, pois muita gente ficou revoltada, nervosa e um homem chegou até a agredir um comissário, quando o coitado não tinha a mínima culpa. A segunda é que, nesses momentos, devemos guardar a tranqüilidade de espírito, porque não adianta se revoltar e ficar agitado. A terceira foi que, nesses momentos, devemos procurar ver o lado bom das coisas. O lado bom dessa história foi passar uma noite, mal-dormida aliás, em Salvador, descansando a cabeça de tantos aperreios. No fundo, tudo é graça e é preciso aproveitar de tudo para descobrir a sua graça.


(*) É VIGÁRIO GERAL E DOUTOR EM TEOLOGIA

Copyright  2002 -  Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL