| Aprendendo de Jonas |

Página Inicial

12/10/03

MONS. PEDRO TEIXEIRA CAVALCANTE *

       O livro de Jonas, histórico ou parabólico, é de uma leitura gostosa e atraente. Na verdade, Jonas é um contista de primeira ordem. Mas, além do que o Livro nos conta, o que interessa mesmo para nós, cristãos, é a sua mensagem e mensagem é o que não falta nesse Livro sagrado.
      Logo no primeiro capítulo, encontramos um profeta que não quer ser profeta, por motivos pessoais, nacionalistas. Jonas foge de Deus. Jonas se esconde de Deus. Jonas desobedece a Deus. Não quer pregar a misericórdia infinita de Deus, que não faz distinção de pessoas. Ele tem uma missão, porém. Tem uma vocação. Sua vida está marcada por Deus para uma finalidade espiritual. Mas, Jonas não dá a mínima à sua missão, à sua vocação, ao seu chamado de Deus.
      Acontece, porém, que, por ter fugido, ele se torna vítima de uma “sorte”. Com efeito, enquanto a tribulação está apavorada com uma tremenda tempestade, Jonas dorme “tranqüilamente” no porão do navio. Sua consciência parece não doer nem um pouco. Ele pagou a passagem e quer desfrutar da viagem como lhe convém.
      Pego de surpresa, ele revela a outra face de Jonas. Diante do barulho dos marujos e passageiros, Jonas se mostra outro. Ele se converte. Volta-se para sua missão e vocação e leva isto até as últimas conseqüências, a morte.
      Penso que com muitos católicos acontece a mesma história nos dias de hoje. Às vezes, somos covardes e não temos coragem de cumprir nossa missão, de levar adiante nossa vocação. Então, fugimos e queremos nos esconder de Deus. Se até aí fomos igualzinhos a Jonas, temos de sê-lo também na conversão, ou seja, na coragem de irmos adiante, de mudarmos de vida, de cumprirmos nossa missão mesmo que isto nos custe entrar na barriga de uma baleia.
      Pecado é coisa horrível; muito pior, porém, é, quando consciente do erro, permanecemos no pecado


* É DOUTOR EM TEOLOGIA E VIGÁRIO-GERAL

Copyright  2003 -  Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL