| Marcado |

Página Inicial

08/06/04

MONS. PEDRO TEIXEIRA CAVALCANTE *

       

            Existem pessoas, que são realmente marcadas. Marcadas para serem vítimas. Vítimas de tudo. Não sei se você, prezado leitor, já notou esse fato e quem sabe se você mesmo não é uma pessoa marcada.

            Há gente que passou a vida fazendo o mal, muito mal, mas, um belo dia, converteu-se e mudou de vida. Mas, as outras pessoas olharão para ela sempre com o estigma da maldade, do erro, do pecado. Há pessoas que levam a culpa de tudo, mesmo que elas não tenham nada a ver com o pato. São julgadas constantemente por alguns como as responsáveis de coisas que jamais pensaram em fazer ou dizer.

            O marcado está sempre exposto ao juízo dos outros, mesmo que ele queira levar uma vida recatada, humilde, escondida, santa. Marcado, ele leva a culpa de tudo e por tudo e é o bode expiatório de muitos erros que outros comentem.

            Por outro lado, há pessoas que pintam e bordam, mas são tidas sempre como santinhas e maravilhosas. Todos as louvam e as procuram.

            Por que será que isso acontece, isto é, por que será que sempre houve gente marcada pelos outros?

            Em primeiro lugar, creio eu, é porque certas pessoas se distinguem se sobressaem e, por isso, provocam inveja e ciúme. Depois, também aqui creio eu, é porque essas pessoas realmente falharam de algum modo e não são jamais perdoadas pelos outros. E aqui está o nó da questão. Quem não tem Deus dentro de si, quem não segue o caminho do Evangelho, quem não ama como Jesus amou e mandou, está sempre inclinado a ver a maldade do outro e jamais sua conversão. Por outro lado, por causa da concupiscência pecaminosa, somos todos nós inclinados a descobrir no outro seu lado negativo. Parece que Freud deveria ter tentado explicar isso, porque no fundo é uma desculpa para nossa vida também errada. Vejamos o caso de santo Agostinho. Para que lembrar que ele foi um pecador antes de sua conversão? Por que não recordar apenas sua vida edificante, santa e maravilhosa de convertido?

            Devemos crer no outro. Deixemos de julgar o outro pelo que somos. Olhemos o esforço de recuperação do nosso irmão. Ajudemos aquele que quer realmente mudar e se converter. Isto nos fará certamente muito bem.


* É DOUTOR EM TEOLOGIA E VIGÁRIO-GERAL

Copyright  2004 -  Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL