| As dores de Jesus |

Página Inicial

05/09/04

MONS. PEDRO TEIXEIRA CAVALCANTE *

       Quem medita bem a vida de Jesus não pode deixar de se impressionar com os sofrimentos que ele suportou durante toda a sua vida. Foram sofrimentos de todos os tipos, de todas as ordens, em intensidade variada, mas praticamente em todos os dias da sua existência. Do nascer, desconhecido, menosprezado e não tendo nem sequer um lugar digno para vir ao mundo até sua morte em cruz, como um maldito e condenado como um malfeitor, Jesus viveu sempre como um crucificado, por isso sempre se diz que sua vida pública foi uma contínua preparação para o Calvário. O que impressiona nessa meditação da vida do Senhor é que ele passou por todos os tipos de sofrimentos, a saber, físicos, morais, espirituais e psíquicos. Com efeito, na sua vida oculta, durante 30 anos, ficou desconhecido, trabalhando com seu pai numa marcenaria, depois de ter sido, logo após seu nascimento, perseguido pela fúria de um rei enlouquecido pelo terrível verme da inveja e por causa disso ele foi obrigado a sair da sua pátria. Durante seus três anos de evangelização foi desprezado, maltratado, perseguido, incompreendido, ameaçado de morte, expulso de lugares por onde andou, sentiu fome e sede, não teve uma casa para morar e, por fim, foi traído por um dos seus apóstolos e negado por aquele que ele escolhera para ser o chefe de sua Igreja e seu representante visível após sua morte. Mas é na sua morte onde mais aparece o desenrolar de sofrimentos de todos os tipos por sobre um homem justo: ele foi abandonado, desmoralizado, açoitado, quase esfolado vivo, cuspido, coroado para ser ridicularizado e morreu de uma maneira brutal e dramática e durante essa morte foi levado ao ridículo, insultado e para matar-lhe a sede deram-lhe apenas vinho misturado com fel. Cada dia da vida Jesus é marcado por um tipo de dor que vai da ingratidão ao insulto, da expulsão à condenação à morte, da solidão à incompreensão, da desmoralização ao desprezo. Na verdade, a cruz, com todos os tipos de dores, foi uma marca dominante da vida de Jesus.


* É DOUTOR EM TEOLOGIA E VIGÁRIO-GERAL

Copyright  2004 -  Paróquia Divino Espírito Santo - Maceió/AL